14 de julho de 2010

Mediação é ferramenta eficaz no ramo imobiliário


Incorporadora usa Mediação para resolver problemas de inadimplência. Cerca de 80% dos casos foram resolvidos pelo procedimento.

Nos últimos anos, a prática da mediação vem ganhando corpo no Brasil, notadamente em empresas comprometidas com a construção de relações de respeito com seus clientes, que investem em formas inovadoras e criativas para a resolução de seus conflitos. Neste sentido, já é possível vislumbrar essa nova tendência nas empresas do ramo imobiliário.
De acordo com Carla Boin Aguiar, advogada, mediadora e diretora de eventos do Conselho Nacional das Instituições de Mediação e Arbitragem (Conima), a mediação tem se mostrado uma ferramenta eficaz e apresentado excelentes resultados tanto quantitativos quanto qualitativos para uma grande incorporadora, que vem se utilizando de seus serviços.
Ela afirma que atende uma grande empresa do ramo imobiliário, que dispõe de 97 obras em andamento, que somam quase 5 milhões de metros quadrados em construção, com  cerca de 29 mil clientes. “O trabalho desenvolvido propõe a abertura de canais de diálogo com o cliente no sentido de buscar atender, não somente às necessidades da incorporadora, como também às necessidades e interesses de seus clientes.”
Desta forma, visando resolver suas questões de inadimplência, sem recorrer ao Poder Judiciário, a incorporadora deu início a um trabalho com advogados com formação em Mediação de conflitos, dedicados a abrir o diálogo e negociações assistidas com seus clientes, observa a mediadora.
Carla Boin Aguiar relata o resultado quantitativo desta experiência, no prazo de aproximadamente dois meses:
- dos catorze clientes contatados e convidados a negociar, treze aceitaram uma negociação inicial, alcançando-se a renegociação ou rescisão contratual com onze deles. Ou seja, o resultado foi de 78,57% de sucesso das negociações assistidas.
Com relação ao resultado qualitativo, a mediadora comenta que o convite para participar de uma negociação assistida tem gerado uma relação de respeito e maior comprometimento por parte dos envolvidos com a solução das questões apresentadas. “O que, a longo prazo, indubitavelmente, influencia na construção da imagem de respeito e seriedade da empresa”, ressalta.
A mediadora explica que a complexidade que envolve as questões do dia a dia de uma incorporadora, em um mundo globalizado, demanda formas criativas e mais humanas para a resolução das situações de conflito. “Cientes dessas necessidades, empresas investem na qualidade do atendimento prestado aos seus clientes não somente no momento da venda do seu produto, como em todo o caminho percorrido até a entrega do empreendimento, assegurando para que não haja qualquer problema que impeça a realização dos sonhos das pessoas no momento da aquisição de um imóvel”, conclui Carla Boin Aguiar.
O assunto é um dos temas que estará em debate no III Encontro Nacional de Arbitragem e Mediação, que acontece nos próximos dias 2 e 3 de agosto, no Blue Tree Towers Faria Lima, em São Paulo.
_________________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário