19 de agosto de 2010


Depois da Casa Universal postada ontem, hoje os detalhes do apartamento reformado pela arquiteta Sandra Perito dentro dos fundamentos da Universal Homeâ.


"O protótipo da Universal Homeâ pode ser considerado uma bandeira para conscientizar tanto produtores de componentes da construção civil quanto incorporadores, construtores e projetistas de habitação, que, em geral, não permite flexibilidade. “O usuário acaba sendo prisioneiro da própria casa, pois é nela que terá de viver a vida toda." Sandra Perito




*Piso antiderrapante

O imóvel com três quartos foi reformado pela arquiteta Sandra Perito, presidente do Instituto Brasil Acessível (IBA), que aceitou o desafio de transformar o apartamento em São Paulo em uma Universal Homeâ, respeitando as características e a estrutura de um edifício já construído.
Para a arquiteta, estabelecer mudanças nos parâmetros das construções residenciais traz grandes vantagens que não representam custos adicionais no projeto. “Prever futuras adaptações não representa custo a mais no orçamento final da reforma, pois o investimento é na capacidade do ambiente em se adaptar às necessidades – atuais e futuras – do usuário, e não em projetos especiais”, explica.
Se planejarmos as construções para que possam ser adaptáveis a qualquer estágio da vida, é possível que o usuário possa viver bem em sua casa em qualquer situação. Adotar critérios que tornam o projeto da moradia mais segura e confortável é uma ação preventiva”, acrescenta.
Moradias adaptáveis, inseridas no contexto socioeconômico brasileiro, podem representar aumento na satisfação e, consequentemente, na qualidade de vida do morador. "É preciso mudar o padrão e este é o grande desafio: acabar com os preconceitos e estereótipos e começar uma nova fase, para construção e reformas de casas adaptáveis que possam ser, de fato, usadas pela vida toda, com segurança e independência", defende a arquiteta. 
O protótipo da Universal Homeâ pode ser considerado uma bandeira para conscientizar tanto produtores de componentes da construção civil quanto incorporadores, construtores e projetistas de habitação, que, em geral, não permite flexibilidade. “O usuário acaba sendo prisioneiro da própria casa, pois é nela que terá de viver a vida toda”, conclui Sandra Perito.


Hall de entrada
  • Foram utilizados elementos vazados para aumentar a luminosidade do espaço durante o dia
  • A mola de segurança da porta permite fechamento suave, evitando possíveis acidentes.
  • Para abrir a porta, basta introduzir a chave e empurrar.
  •  Luz de emergência proporciona mais segurança à noite, em caso de falta de energia.

 
  •  Uma estação metereológica orienta a regulagem do ar-condicionado (foto).
  •  Interruptores de luz com led - proporcionam mais segurança à noite –. Tomadas mais altas facilitam o manuseio.
  • O piso ajuda na circulação de cadeira de rodas.
  • Interruptor remoto permite acender ou apagar a iluminação de qualquer cômodo.  
Sala     
  • Todos os abajures da sala podem ser acionados pelo interruptor na parede.
  • Maior espaço de circulação permite a circulação com cadeiras de rodas.
  • No cômodo foi dispensado o uso de cortinas, apenas a tela solar controla a entrada da luminosidade.
  • A porta de acesso à parte interna do apartamento é larga e de correr.
Cozinha


  • Optou-se pelo uso de gavetões para facilitar a manipulação dos utensílios; elaspermitem que as atividades na cozinha sejam efetuadas com alcance confortável.
  • Forno elétrico e micro-ondas em alturas mais acessíveis tornam seu uso mais cômodo e seguro.
  • Tampos em dois níveis na pia e no fogão permitem o trabalho em pé ou sentado.
  • A despensa com prateleiras em diversas alturas permite ajuste às necessidades individuais e elimina a necessidade de armários altos.
  • Tampos de granito com cantos arredondados; pia rasa, que permite fácil colocação ou retirada da louça.
  • Torneira da pia de alavanca, de um quarto de volta, permite uso mesmo com as mãos molhadas ou ocupadas.
  • Depósito para lixo basculante embaixo do tampo.
  • Puxadores das portas e gavetas dos armários permitem uso da mão toda para manejo e não somente da ponta dos dedos.  
Quartos 
  • Gavetões permitem visualizar conteúdo e facilitam o alcance.
  • Cabideiros em duas alturas. O mais baixo a 1m do piso.
  • Prateleiras em alturas variadas facilitam o alcance e a visualização do conteúdo.
  •  Comando do ventilador do teto próximo à cama facilita seu uso.
Banheiros




O grande desafio foi a rede de esgoto. Para recolocar o vaso sanitário sem mexer na instalação pelo apartamento de baixo, optou-se por instalar uma bacia com saída de esgoto na parede e construir uma muretinha para ocultar a canalização.
  • O sifão da pia é diferenciado para permitir que um cadeirante possa usar a pia sem problemas.
  • Boxe com barras de segurança que auxiliam o banho.
  • Espaço reservado para a instalação de uma cadeira higiênica.
  • Alarme instalado próximo ao boxe, que pode ser acionado em caso de queda.

  • Sensor contra inundação.
  • Ralo contínuo no box evita o acúmulo de água.
  • As fechaduras dos banheiros têm chave em vez dos trincos tradicionais, que impedem o fechamento interno (atenção especial em se tratando de morador idoso ou criança).
  • Torneiras e registros de pressão de alavanca, de um quarto de volta ou monocomando, não exigem esforço para manuseio.
  • Registros na entrada do boxe permitem regular a temperatura da água de fora do boxe, evitando escaldamento.
  • Porta do boxe com abertura para os dois lados possibilita a entrada com cadeira higiênica e facilita o socorro.
  • Espelhos baixos, grandes facilitam a visualização por crianças ou pessoas sentadas.
  • Gabinetes volantes permitem aumentar o espaço para uso com cadeiras de rodas ou de banho.
  • Alarme de emergência agiliza o socorro em caso de quedas. 
Portas
  • Batente com rebaixo dos dois lados torna simples a inversão da abertura da porta para se ter mais espaço dentro do banheiro.
  • No quarto do casal, foi utilizado porta com duas folhas; assim a área de circulação aumenta e permite a passagem confortável com cadeira de rodas.
                                   Varal elétrico na área de serviço

Sobre o Instituto Brasil Acessível
O Instituto Brasil Acessível (IBA) é uma organização da sociedade civil de interesse público (OSCIP) cuja missão é promover a inclusão social por meio do ambiente construído, com atuação direcionada à promoção da educação, do desenvolvimento econômico e social e ao combate à exclusão, contribuindo para a integração dos indivíduos na plena cidadania. Sandra Perito é presidente do Instituto Brasil Acessível, arquiteta e doutora pela Universidade de São Paulo na aplicação de arquitetura inclusiva. Saiba mais sobre o Instituto em http://www.brasilacessivel.org.br/
*Fotos Eugenio Goulart
_________________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário