6 de agosto de 2010

Nossos inventores: "Luminária Flutuante"


Inventor brasileiro desenvolve projeto que agrega enfeite flutuante e ventilador que deixa seu ambiente muito mais agradável.



 As luminárias são muito populares em todos os tipos de ambientes, pois além de iluminar, algumas servem de enfeites. A luminária que apresentamos aqui, além de iluminar e enfeitar ainda pode ventilar o ambiente. 
Como fazer bolas flutuarem sob um jato de ar é uma demonstração comum nos laboratórios de física, o professor e inventor Fernando Fuzinatto Dall’Agnol, agregou um ventilador e um curioso enfeite, criando a “Luminária Flutuante”.  Trata-se de uma luminária, que explora o Principio de Bernoulli,que faz com que a mesma flutue no ambiente e ainda sirva de ventilador, portanto tem a conveniência que usualmente luminárias e ventiladores possuem. 
Esta inovação é composta por duas partes: a base e o objeto flutuante. A base consiste em uma caixa com um motor elétrico que gera um jato de ar. O jato tem inclinação regulável que pode servir de ventilador, independentemente do sistema de iluminação; já o objeto flutuante pode ser qualquer objeto de topo arredondado. Pode-se escolher iluminar apenas a base, apenas o objeto ou ambos. Se a base tiver mais de uma saída de ar, a luminária pode ter um objeto flutuante sobre cada saída. Modelos um pouco mais elaborados ainda podem tem regulagem do jato de ar e de brilho e ainda sensor de falta de energia, funcionando como luz de emergência. 
Segundo o inventor, “O diferencial neste projeto é o objeto flutuante que acrescenta um interessante efeito visual, pois parece violar a gravidade”, comenta. 
Esta inovação agrega diversos benefícios como: praticidade, conforto, diferenciação e aceitação no mercado, tudo isso com um excelente custo x benefício.

Em busca de parceria 
Por isso, Fernando está em busca de parceiros para ajudar a desenvolver modelos e comercializá-los. Com a utilidade de um ventilador, de enfeite flutuante e luminária agregados, este invento tem um público alvo abrangente, todos se tornam potenciais compradores.” afirma. 
A patente deste invento foi requerida em todo o território brasileiro e agora Fernando Fuzinatto Dall’Agnol busca negociá-la ou obter uma parceria entre fabricantes de aparelhos eletro-eletrônicos, para criar modelos, realizar testes e conseguir  industrializá-la. Empresários interessados em investir no produto devem entrar em contato com a Associação Nacional dos Inventores pelo telefone (11) 3873-3211. 
Sobre a Associação Nacional dos Inventores 
Tudo começa com uma boa ideia na cabeça. Depois do desenvolvimento de um protótipo e da realização de testes, o inventor tem a certeza de que o fruto daquela boa ideia vai melhorar a vida de muitas pessoas. A partir daí, muitos deles se perguntam: “O que fazer agora?”. 
A Associação Nacional dos Inventores (ANI) foi criada exatamente para que as invenções brasileiras sirvam a toda a sociedade e para estimular os inventores a continuar dedicando-se à descoberta de novidades. “Nosso papel é incentivar e popularizar as inovações tecnológicas no País”, afirma o presidente e fundador da entidade, Carlos Mazzei. “Trabalhamos na orientação e regularização das patentes de projetos e na posterior comercialização dos inventos em escala industrial.”
_________________________________________________ 

Nenhum comentário:

Postar um comentário