22 de setembro de 2010

Existem LEDs e leds. VOCÊ PERCEBE A DIFERENÇA?

Artigo - os LEDs  chamam a atenção pela economia de energia, além de não possuírem substâncias prejudiciais ao meio ambiente em sua composição.


*Marcos Santos

Desde o ano passado, quando a União Européia votou uma medida a favor da conservação do planeta, que visa banir até 2012 as lâmpadas incandescentes e promover a substituição por fluorescentes ou LEDs, a questão da diferença entre os produtos disponíveis com essa tecnologia no mercado tem ganhado força. Por lá, esse foi, inclusive, um dos primeiros passos para que os diodos emissores de luz se popularizassem ainda mais.

No Brasil, os LEDs também deixaram de serem vistos apenas como um ponto de luz em aparelhos eletrônicos e ganharam o gosto e a preferência dos lighting designers em seus projetos. Animados com a possibilidade de um fácil retrofit, procedimento de substituição de tecnologias tradicionais sem necessidade de alteração na rede elétrica ou adaptações nos pontos de luz, tanto profissionais quanto consumidores finais buscam cada vez mais pelos LEDs. Sejam em forma de lâmpada (lamp LED) ou em soluções customizáveis, como as fitas ou módulos de LED, há uma nova tendência de mercado despontando no cenário nacional.

Atraentes pela promessa de oferecer uma vida útil de até 50 mil horas (o equivalente a mais de seis anos de funcionamento contínuo), os LEDs também chamam a atenção pela economia de energia, além de não possuírem substâncias prejudiciais ao meio ambiente em sua composição. Esses e outros fatores fazem com que estes produtos gerem outros benefícios como a diminuição da produção de resíduos, fundamental para a preservação do meio ambiente.

Entretanto, enquanto essa tecnologia passa pelo processo de massificação, os consumidores que buscam apenas por preços mais baixos têm sofrido. Isso porque nem sempre economizar, num primeiro momento, é sinônimo de bom negócio, ainda mais quando se fala em tecnologia. Com o resultado final obtido após o uso de produtos de procedência duvidosa e de má qualidade cria-se uma percepção equivocada de que os LEDs não são tão bons quanto se diz. Com durabilidade e pacote de luz reduzidos, estes produtos de procedência duvidosa acabam causando uma má primeira impressão e distorcendo os reais benefícios desta tecnologia.

É necessário ter em mente que as empresas sérias e competitivas, como a OSRAM, investem constantemente no desenvolvimento de produtos cada vez melhores e que superem as expectativas do consumidor. Por isso, lembre-se que às vezes é mais sensato ter um custo inicial mais alto, para que depois não tenha que se preocupar em realizar substituições ou reparos daquilo que parecia ser a melhor opção.

Sem dúvidas, os LEDs representam o que há de mais moderno em termos de tecnologia para iluminação. Sendo assim, não se deixe frustrar por produtos que não correspondem ao que eles poderiam oferecer. Lembre-se do ditado que diz que o barato pode sair caro e valorize seus investimentos, adquirindo sempre produtos de alta qualidade.

*Marcos Santos é engenheiro eletricista, graduado pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) e atua na OSRAM há 21 anos. Ao longo de sua carreira na empresa já trabalhou nas áreas de Vendas, Exportação, Processos e Marketing no Brasil, Alemanha, Equador e Colômbia. Hoje, é gerente de Marketing da OSRAM do Brasil para a linha de LEDs Profissional.
_______________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário