15 de fevereiro de 2011

Veja quem vai morar na Residência Artística FAAP


Dez artistas,  entre brasileiros e estrangeiros, desenvolverão trabalhos como intervenções urbanas, pesquisa fotográfica, site especificsdesenhos, filmes digitais e até protótipos de moradias, entre outros projetos. 

Culturas, idiomas e diferentes formas de expressão e práticas artísticas se misturam na Residência Artística mantida pela Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), no Edifício Lutetia, centro de São Paulo. Neste primeiro semestre, os estúdios serão ocupados por 10 artistas de várias localidades do mundo, inclusive de cidades brasileiras, que vem à capital paulista para desenvolver projetos de artes visuais. 
Os novos visitantes desenvolverão trabalhos diversos como intervenções urbanas, pesquisa fotográfica, site especifics (arte realizada fora de espaços tradicionais e criada de acordo com o ambiente)desenhos, filmes digitais e até protótipos de moradias, entre outros projetos. 
Os primeiros estrangeiros a desembarcar no edifício foram os artistas Raphaelle Faure-Vincent, da França, Eleonora Fassina, da Itália, Hans Christian Christiansen, da Dinamarca, e Agnieszka Kurant, da Polônia. Os brasileiros Bruno Mitre, de Minas Gerais, Julio Cesar Leite, da Paraíba, e Alexandre Damiano Junior, do Rio de Janeiro, também já estão hospedados. 
Em abril, a Residência Artística recebe o francês Gilles Toutevoix e a norte-americana Kayla Risko. Em maio, será a vez da chilena Celeste Rojas Mugica. 
Ao longo da residência em São Paulo, os artistas realizarão também atividades, como palestras e workshops, para apresentar ao público em geral e estudantes as obras e técnicas utilizadas para seu desenvolvimento, além das percepções sobre a cidade. 
Estúdio 
O Edifício Lutetia tem o propósito de servir como residência temporária para artistas que desejam desenvolver projetos de artes visuais em São Paulo, além de buscar aperfeiçoamento. Nos apartamentos, dotados de cozinha, quarto e banheiro privativo, o artista desenvolve seus projetos com total liberdade e segurança. 
Além disso, o prédio oferece toda a infraestrutura necessária para os moradores: segurança 24 horas, lavanderia e almoxarifado, sala de convivência e uma sala de múltiplos usos, podendo ser utilizada como ateliê coletivo, sala de reuniões e projeções. 
Os dois primeiros andares do Edifício Lutetia são reservados para exposições do Museu de Arte Brasileira da FAAP (MAB-Centro). O térreo abriga ainda uma livraria. 
Artistas que trabalham na área de artes visuais que desejam participar do processo seletivo para a residência no primeiro semestre de 2012 têm até o dia 31 de julho deste ano para fazer a inscrição. Informações sobre toda a documentação necessária estão disponíveis no sitewww.faap.br/residenciaartistica. Também podem ser obtidas pelo telefone +55 (11) 3101-9492, pelo e-mail resartisfaap.info@faap.br ou pelo skype: residencia.artistica.faap.

Conheça os novos residentes:

Agnieszka Kurant: A artista explora no projeto “Errorism” a desordem causada por erros políticos, que depois vêm a se organizar. Na residência, pretende explorar a ideia brasileira de ‘ordem e progresso’. A polonesa utiliza instalação, objetos e a arquitetura para desenvolver seu trabalho.

Alexandre Damiano Junior: Durante residência, o artista pretende utilizar diálogos e poesias do livro ‘Pororoca’, de sua autoria, para realizar e produzir um curta ou média-metragem em mídia digital. A publicação é uma autobiografia na qual ele mostra passagens do que chama de ‘Diário de Bordo’. O carioca pretende ainda reunir materiais para a elaboração de um segundo livro sobre artes visuais.

Bruno Mitre: Pinturas e desenhos são os meios utilizados pelo artista mineiro, que pretende promover durante a residência artística um intercâmbio entre as artes plásticas, a arquitetura e a literatura. Terá o movimento desconstrutivista como aglutinador, além de ter a cidade de São Paulo como inspiração.

Celeste Rojas Mugica: Seu material de trabalho é a fotografia. Durante residência em São Paulo, pretende dar continuidade ao projeto La Ciudad Líquida, na qual investiga cidades latinas desde 2008, e fotografa objetos inanimados que falam por si, a decadência, sujeira e memórias da cidade. A artista convida a observar com atenção o espaço urbano, que é composto por diversos símbolos e objetos que remetem a uma metrópole moderna.

Eleonora Fassina: Com o projeto “One Man Living in Favelas. Big Problem – Small Solutions”, a artista tem como propósito investigar necessidades e desejos diários dos moradores das favelas de São Paulo para desenvolver protótipos de moradias que melhore as condições de vida das pessoas.

Gilles Toutevoix: Artista que trabalha com diversas formas de expressão artística como vídeo, instalação, performances e fotografias.

Hans Christian Christiansen: O dinamarquês desenvolverá o projeto ‘City of wall. Investigation of urban separation”, no qual pretende explorar as conseqüências da segregação social e física que os condomínios trazem para a sociedade. Utiliza a arquitetura para tal finalidade.

Julio Cesar Leite: Utiliza imagens da construção civil, como fotografias de tijolos expostos, para revestir paredes, remontando um diálogo com o ensaio filosófico Iconoclastas, de Jean Baudrillard, no qual a simulação envolve todo o edifício da representação como simulacro.

Kayla Risko: A americana separa elementos da pintura barroca e renascentista para criar novos desenhos e dar significado a esses elementos. Durante a residência, a artista pretende basear-se na arte brasileira para dar continuidade ao trabalho e também criar pequenos estudos sobre imagens cotidianas.

Raphaëlle Faure-Vincent: A artista propõe um olhar poético e ao mesmo tempo crítico sobre o espaço urbano. Por meio de instalações, estruturas, objetos e detalhes da arquitetura, busca sugerir novos critérios de apreciação da arte. Raphaelle trabalhará durante a residência com intervenções urbanas, nas quais explorará a cultura da cidade.
__________________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário