31 de março de 2011

Mostra Clássicos LUME: raridades do cinema mundial no CCBB-Rio

 No Cinema I, de 12 a 24 de abril, obras de diretores como Mizoguchi, Malle, Chabrol,
 Maselli, Paradjanov, Cukor, Kurosawa. 

Ronald  Colman ganhou o Oscar de Melhor Ator
por A Double Life (Fatalidade) de Cukor.
  Parceria  com  a  Lume  Filmes,  este  ciclo exibe um pequeno apanhado de
 pérolas  notáveis, treze raridades do cinema mundial em relação às quais
 não  se  é  possível  destacar  um filme do outro tamanha originalidade e
 arrojo  estético-narrativo. Na direção, um time de sonhos que encheria de
 cobiça  os  melhores  festivais  de  cinema  do  mundo: Mizoguchi, Malle,
 Maselli, Paradjanov, Cukor, Kurosawa, e por aí vai. 
 Curadoria: Frederico Machado.
 Apoio: Lume Fimes
 Classificação indicativa: de acordo com os filmes.
 Os filmes
 CONTOS DA LUA VAGA
 (Ugetsu monogatari) Japão, Kenji Mizoguchi, 1953, 94min
 Obra-prima  do  cinema fantástico, o filme é uma fábula passada no século
 XVI  em um Japão feudal violento durante a sangrenta guerra civil e conta
 a  história  de  um  fazendeiro que quer ser samurai e de perseguições de
 fantasmas.  Realizada  pelo  mestre  japonês  Kenji  Mizoguchi  cheio  de
 atmosfera e força, é um dos mais importantes filmes da história do cinema
 e  um  belo  exemplo do cinema japonês clássico.Ganhou o Leão de Prata no
 festival de Veneza de 1953. Dias 13 (20h) e 21 (18h).
  


FATALIDADE
 (A Double Life) EUA, George Cukor, 1947, 104 min
 Ronald  Colman ganhou o Oscar de Melhor Ator por esta interpretação de um  ator  de  teatro  que  não  sabe  distinguir  mais o que é real e o que é  imaginado.  Grande  filme  de suspense com traços de melodrama, que trata como  nenhum  outro  sobre maldade e imaginação. Ganhou o Oscar também de  melhor  trilha  sonora  para  o  mestre  Miklos Rozsa. Dias 16 (20h) e 24
 (15h).
 A COR DA ROMÃ
 (Sayat Nava) Rússia, Sergei Paradjanov,  1969, 72min
 Trabalho  revolucionário, realizado sem diálogos ou movimentos de câmera,
 é  uma  das grandes obras-primas do cinema do século XX. A história é uma
 biografia de um músico, poeta e revolucionário da Armênia. Visualmente um
 deleite,  um delírio imaginativo, um poema visual dos mais importantes já
 realizados.  O  filme  foi  proibido,  remontado e permaneceu como um dos
 filmes  mais  importantes  já  realizados  no  cinema. Dias 14 (20h) e 23
 (18h).
 IMPÉRIO DO CRIME
 (The Big Combo)  EUA, Joseph H. Lewis, 1955, 89min
 Um  tenente  de  polícia  recebe ordens para interromper a vigilância que
 fazia  de  um  suspeito  de  ser  chefão da máfia, pois a operação estava
 custando muito dinheiro ao departamento sem dar resultados. Resolve fazer
 uma última tentativa para conseguir provas, aproximando-se da namorada do
 suspeito.  Clássico filme noir com impecável fotografia em preto e branco
 do  mestre John Alton. Estiloso e inovador. Um marco do cinema americano.
 Dias 20 (18h) e 22 (20h).
 ABANDONADA
 (Gli sbandati) Italia, Francesco Maselli, 1955, 77 min
 Grande  sucesso  em  diversos  festivais internacionais, "Abandonada" é o
 filme  de  estréia  do  Francesco  Maselli. Durante a Segunda Guerra, uma
 família  nobre se refugia dos bombardeios em uma pequena cidade italiana.
 Andrea,  o  filho  mais velho de uma condessa, apaixona-se por Lucia, uma
 operária.  O  amor  faz  com ele tome consciência das agruras da guerra e
 tente  protegê-la,  mas  quando  o  perigo se aproxima, seus caminhos são
 cruelmente divididos. Belo e contundente. Dias 19 (20h) e 22 (16h).
 EVA
 (Ekstase) Checoslováquia / Áustria, Gustav Machatý ,1933, 82 min
 Escritor  casado se envolve com uma bela mulher que gosta de humilhá-lo e
 que pode destruí-lo. Um drama intenso realizado pelo mestre Joseph Losey,
 com  a  beleza  estonteante  da  atriz  Jeanne  Moreau.  Primoroso filme,
 trabalho raríssimo. Dias 12 (18h) e 24 (19h).
 O ANJO EMBRIAGADO
 (Drunken Angel), Japão, Akira Kurosawa, 1948, 98 min
 Poderoso  policial  noir  dirigido pelo mestre Akira Kurosawa. Após briga
 com  criminosos  rival,  um gangster vai se tratar com médico alcóolatra.
 Passado logo após a Segunda Guerra Mundial, o filme revelou Kurosawa para
 o grande público e crítica internacional. Dias 13 (18h) e 20 (20h).
 O AMOR
 (Love) Hungria, Karoly Makk, 1971, 88 min
 Belo, emotivo e contemplativo. Um dos mais importantes filmes da história
 do  cinema,  inédito no Brasil. O Amor conta a história de uma mulher que
 esconde  a  verdade  sobre  o  seu  marido, que está preso, para a mãe do
 mesmo.  Uma história corajosa sobre relacionamento e sentimento, em torno
 de questões políticas, amizades e família. Dias 12 (20h) e 23 (20h).
 ALICE
 (Idem) França, Claude Chabrol, 1977, 93min
 Obscuro filme dirigido por um dos mais importantes cineastas franceses da
 história  do  cinema,  "Alice  Ou A Última Fuga", é um drama fantástico e
 fantasioso,  mais um pesadelo, sobre uma bela mulher que larga o marido e
 passando  a noite em uma casa antiga, surpresas ocorrerão. Um suspense na
 linha  de  Hitchcock,  redescoberto  pela Lume Filmes. Dias 15 (18h) e 23
 (16h).
 SOPRO NO CORAÇÃO
 (Souffle au coeur), França, Louis Malle, 1972, 118 min
 Laurent,  de  15  anos  de  idade,  vive  em Dijon no seio de uma família
 burguesa  de  tradições rígidas. Não se dá muito bem com seu pai, nem com
 seus irmãos. É apaixonado por sua mãe, Clara, mulher muito livre que está
 cansada  do marido. Laurent está naquela idade quando tudo é revolta. É a
 transição  da infância para a adolescência, são as primeiras experiências
 sexuais. Depois de uma escarlatina, contrai um problema no coração, e vai
 se  tratar  em  uma  estação  climática, acompanhado de sua mãe. Longe de
 casa,  com todo o tempo do mundo só para eles, aprofundam essa relação de
 paixão  que  os  une. Dirigido pelo grande diretor francês Louis Malle, O
 Sopro  do Coração é um filme amoroso e verdadeiro sobre amor e liberdade.
 Dia 15 (20h). Exibição única.
 DIABEL
 (Idem) Polônia, Andrzej Zulawski, 1972, 119 min
 Filme  obscuro  e cultuado na Europa, uma obra fantástica sobre obsessão,
 loucura  e  morte.  Durante  a  invasão  da Polônia em 1793 pelo exército
 prussiano,  um  jovem é salvo da prisão por um homem misterioso. A partir
 daí, começa sua jornada de loucura, no qual vê a morte do pai e a traição
 de  sua  namorada,  rodeado sempre pelo caos e pela corrupção moral. Mais
 uma obra-prima redescoberta pela Lume Filmes. Dias 14 (18h) e 22 (18h).
 VERMELHOS E BRANCOS
 (Katonák Csillagosok) Hungria, Miklos Janksó, 1967, 90 min
 Considerado  por  alguns, como propaganda comunista, o filme é na verdade
 uma  evocação minimalista da falta de sentido da guerra. A história segue
 o  exército  vermelho  e  o  exército  branco  que se enfrentam em meio a
 revolução  russa,  liderada por Lênin, transformando o país em uma guerra
 civil  pela formação da União Soviética. O filme mostra os detalhes dessa
 guerra. Considerado um dos mais fortes e contundentes filmes de guerra já
 realizados,  esta obra-prima é quase desconhecida no Brasil e consagrou o
 importante cineasta húngaro Miklos Janksó.  Dias 19 (18h) e 24 (17h).
 LOLA, A FLOR PROIBIDA
 (Lola) Itália / França - Jacques Demy, 1961, 90 min
 Em Nantes, na França, um jovem rapaz, Roland, conhece Lola, uma dançarina  de  cabaré.  Ela  também  é  mãe  solteira  e  tem esperança que o pai da criança,  que a abandonou durante a gravidez, retorne. Roland se apaixona por  Lola  e  finalmente encontra um sentido para a sua vida. Um clássico francês belo e inovador.  Dias 15 (16h) e 21 (20h).
 SERVIÇO
 Mostra Clássicos LUME
 12 a 24 de abril
 Cinema I (103 lugares)
 ENTRADA FRANCA
 CCBB Rio
 Rua Primeiro de Março, 66 – Térreo
_http://www.imdb.com/title/tt0039335/_
_________________________________________________



Nenhum comentário:

Postar um comentário