18 de outubro de 2011

Dalton Trevisan e Laurentino Gomes vencem Prêmio Jabuti


Os escritores paranaenses venceram o 53º. Jabuti, o mais antigo e conceituado prêmio literário do país, concedido pela Câmara Brasileira do Livro (CBL) desde 1959. 
 
Conheça todos o vencedores do Prêmio no link: http://www.cbl.org.br/jabuti/telas/resultado/








Dalton Trevisan ganhou na categoria Contos e Crônicas, com "Desgracida". O livro "1822", de  Laurentino Gomes, foi considerado o melhor livro-reportagem de 2011.


Este é o quarto Jabuti da carreira de  Dalton Trevisan. Conhecido pela sua reclusão, o autor curitibano é considerado o maior contista vivo do Brasil. Desde 1959, quando fez sua estreia literária com "Novelas nada exemplares", marcou a ferro quente seu nome na literatura brasileira. Entre suas obras mais notáveis estão Cemitério de elefantes, O vampiro de Curitiba e Guerra conjugal.
Toda sua obra é permeada pela presença marcante de Curitiba, seja como pano de fundo para as tramas ou mesmo como personagem de contos antológicos, como “Cemitério de elefantes”. Desgracida, lançado em 2010, é dividido em duas partes: "Ministórias", com textos inéditos do escritor curitibano, e "Mal Traçadas Linhas", com cartas enviadas a amigos.
_______________________________________________________
 Sobre Desgracida
          Do Grupo Editorial Record
"...O autor volta a desfiar em DESGRACIDA sua linguagem mordaz e humor cáustico, ao abordar as várias facetas da condição humana.
Dividido em duas partes, o livro começa por Ministórias — uma seleção de textos inéditos doVampiro de Curitiba, que reafirmam a idéia de Dalton de que só chegaria à perfeição quando compusesse histórias completas com apenas duas ou três linhas. A cada novo livro, seu texto é mais enxuto, conciso — magro, sem por isso ser inane. Aqui, literalmente, para bom entendedor, meia-palavra basta. 
A consagrada ironia cortante e o habitual sarcasmo de suas histórias estão presentes em 90 microcontos — alguns de apenas uma frase — que transmitem todas as aflições e alegrias de homens e mulheres, com erotismo intenso e diálogos incomuns. Uma coletânea de histórias que retrata a realidade do Brasil hoje, os desastres do amor, as cenas da vida cotidiana, os infernos particulares, a guerra dos sexos.
Na segunda parte, Mal traçadas linhas, são reproduzidos textos de antigas cartas enviadas a amigos, como Pedro Nava, Rubem Braga e Otto Lara Rezende. Nestas correspondências, o então jovem escritor comete alguns “sacrilégios” em relação a algumas obras hoje consagradas. Em um texto endereçado ao amigo Otto, por exemplo, propõe: “Falemos mal do Grande Sertão. Rompe você ou começo eu?”, para depois prosseguir: “Um cronista genial, a mão leve de beija-flor, mas — ai de mim — romancista menor”. As cartas trocadas com os célebres interlocutores revelam um pouco mais sobre as idéias do recluso escritor curitibano, avesso a entrevistas, que coleciona uma legião de fãs que cresce proporcional a sua aparente timidez. Quanto mais se recusa a aparecer, mais ansiosos por sua próxima obra crítica e público se tornam. Toda informação sobre o autor é breve e autônoma, retalho que se une a outros para formar uma peça homogênea — tal como muitos de seus livros.DESGRACIDA é mais uma peça indispensável deste quebra-cabeça que é a genial obra de Dalton Trevisan.
http://www.record.com.br/livro_sinopse.asp?id_livro=25023
________________________________________________________
Laurentino Gomes
Autor do livro "1808", sobre a fuga da família real portuguesa para o Brasil, o escritor Laurentino Gomes ganhou, com "1822", seu segundo Prêmio Jabuti. Nascido em Maringá, o autor é formado em Jornalismo pela Universidade Federal do Paraná, com pós-graduação em Administração pela Universidade de São Paulo. 
Trabalhou como repórter e editor para o jornal O Estado de S. Paulo e a revista Veja e foi diretor da Editora Abril. É membro titular da Academia Paranaense de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo. Castello é jornalista e escritor, colunista do suplemento Prosa & Verso, de O Globo, autor de "Vinicius de Moraes: O poeta da paixão" (1993), "Inventário das sombras" (1999) e "A literatura na poltrona" (2007). 

Nenhum comentário:

Postar um comentário