12 de outubro de 2011

A grande tradutora e os cinco elefantes


Assisti no domingo passado, no Canal Futura - no Mundo. Doc,  um documentário incrível sobre Svetlana Geier, considerada a melhor tradutora de literatura russa para o alemão. "A mulher com os 5 elefantes".


Os cinco elefantes são  "O Adolescente", "Crime e Castigo", "Os Irmãos Karamazov", "O Idiota" e "Os Demônios", todos de Dostoievski .

O documentário  é suíço e enfoca o  trabalho de  
Svetlana Geier  quando aos 85 anos, ela terminou  a tradução dos grandes romances conhecidos na Alemanha como “os cinco elefantes”. Lúcida, infatigável e sempre à procura da melhor palavra, do melhor sentido. Recomendo!




 No documentário, ela mostra como fazia seu trabalho, seu dia-a-dia, inclusive na cozinha e também  ela faz sua primeira viagem de sua casa na Alemanha para o lugar onde nasceu passou a infância, na Ucrânia.
http://www.futura.org.br/




Ficha técnica

Título inglês: Die Frau mit den 5 Elefanten
Diretor: Vadim Jendreyko
Ano de Produção: 2009
País: Suiça
Duração: 93 min.









Vejam o clipping do filme


DIE FRAU MIT DEN 5 ELEFANTEN (Swetlana Geier) cineworx
____________________________________________________________

Abaixo, um texto de Fabio M. Said sobre Swetlana Geier

"A tradutora e seus cinco elefantes [The Translator and Her Five Elephants] 

 Fabio M. Said 



Jurei que nunca mais ia falar de tradução literária aqui no blog (a mídia já dá espaço suficiente aos tradutores literários, e eu faria melhor se focalizasse outras áreas da tradução profissional). Mas não resisto. A desculpa da vez é um documentário que está sendo muito elogiado na Alemanha sobre… uma tradutora literária!
Swetlana Geier é uma tradutora de 87 anos, ucraniana de nascimento e alemã por adoção. Depois de passar maus bocados na terra natal e ver seu pai ser preso, torturado e morto pelos stalinistas, ela ganhou (da Alemanha nazista) uma bolsa de estudos e veio para Freiburg, onde foi aluna do filósofo Heidegger. Aprendeu alemão desde os cinco anos e ainda na Rússia era intérprete de alemão-russo. Mas foi a partir dos anos 1950 que começou a fazer traduções literárias. Passou 40 anos “exercitando o anonimato” -- como ela mesmo se refere à profissão de tradutor -- até que, em 1988, foi convidada a realizar uma obra monumental: traduzir os cinco grandes (grandes inclusive no peso e volume) romances de Dostoiévski, os “cinco elefantes” (ver foto acima da tradutora com os cinco calhamaços).
Dessa aventura, concluída em 2004 com várias premiações, surgiu o documentário “Die Frau mit den 5 Elefanten” (A mulher com os cinco elefantes), que estreou aqui na Alemanha em janeiro deste ano e que vem sendo muito bem recebido por onde passa. No filme, Swetlana Geier conta sua história na Ucrânia e na Alemanha e visita seu país natal pela primeira vez depois de 70 anos. E solta várias tiradas sobre a arte de traduzir. Como esta: “Não se traduz (esses cinco volumes) sem ser punido”.
À primeira vista, Swetlana Geier parece ser a típica tradutora literária: altamente intelectualizada, fascinada pela beleza de palavras corriqueiras, resistente às “novas” tecnologias e meio sem paciência com tudo (exceto com a literatura!). Mas em seguida se revelam outros lados mais interessantes: ela sabe cozinhar sem receitas e curte bastante os seis netos e dez bisnetos!"
http://clubedeautores.ning.com/profile/FabioMSaid
Sobre Fabio Said
Brasileiro residente na Alemanha, tradutor profissional desde 1993, traduzindo sobretudo textos jurídicos, financeiros e corporativos do alemão e inglês para o português do Brasil. Ex-tradutor público "ad hoc" na Bahia.

Traduziu diversos livros de filosofia, direito, ciências sociais e cultura, entre eles "Os pioneiros do pragmatismo americano" (2002), "Mercosul e União Europeia: perspectivas de integração regional" (2006), "A rapadura e o fusca: cana, cultura, sociedade" (2009), "Salvador/Hamburgo: passado e presente da globalização" (2010) e "2012: o ano da profecia maia" (2010).

Nenhum comentário:

Postar um comentário