23 de novembro de 2011

Como "Alice no País das Maravilhas" influenciou as artes visuais, na Tate Liverpool


Alice Liddell, a verdadeira Charles Dodgson LudwidgeAlice Liddell Em Perfil © National Portrait Gallery, Londres
Eu adoro "Alice no País das Maravilhas" e "Alice através do Espelho". Quando estive em Oxford, fiz questão de ver onde viveu Lewis Carroll. Aliás, adoro ver onde viveram as pessoas que realizaram algo de que gosto. Fui visitar a casa de El Greco (Toledo, na Espanha); as casas de Neruda (Chile); de Goethe (em Frankfurt); de Mozart (Áustria), entre outros. Digamos que é uma mania, uma boa mania... Falando nisso, na Tate Liverpool (Inglaterra) até 29 de janeiro de 2012, uma exposição visita "Alice no País das Maravilhas". Pela primeira vez, uma mostra explora a influência de Lewis Carroll nas artes visuais.
Romances atemporais de Lewis Carroll, "Alice no País das Maravilhas'" e "Através do Espelho", têm fascinado crianças e adultos desde a sua publicação há mais de 150 anos. Alice no País das Maravilhas na Tate Liverpool é a primeira exposição a explorar como as histórias de Lewis Carroll tem influenciado as artes visuais, inspirando gerações de artistas. A exposição fornece informações sobre a criação dos romances e a inspiração que eles forneceram para os artistas através das décadas.



Presente para Alice
O ponto de partida para a exposição é o manuscrito original de Carroll, escrito em 1864 como um presente pelos dez anos de Alice Liddell. As próprias ilustrações de Carroll garantiram que as imagens fossem fundamentais para a história, criando um mundo visual que ganhou vida própria.
Lewis Carroll
Alice no País das Maravilhas oferece aos visitantes uma rara oportunidade para ver os desenhos do próprio Carroll e fotografias, ao lado de memorabilia vitoriana de Alice e desenhos preliminares para a primeira edição de John Tenniel do romance.
Histórias de Carroll foram logo seguidas por outros artistas. Artistas surrealistas dos anos 1930 em diante foram atraídos para o mundo fantástico do País das Maravilhas, onde as leis naturais foram suspensas. Dos anos 1960 até os anos 1970, os contos de Carroll também levaram artistas conceituais a explorar a linguagem e sua relação com a percepção, e as histórias inspiradas tiveram respostas ainda maior na arte pop e psicodélica. Lá estão obras de artistas que vão de Salvador Dalí e René Magritte, a Peter Blake e Yayoi Kusama.
Alice no País das Maravilhas também mostra uma empolgante selecção de arte contemporânea, demonstrando a relevância artística dos romances de Carroll. Obras de Anna Gaskell, Strba Annelies e Lauschmann Torsten vão aparecer explorando idéias como a jornada da infância à idade adulta, significando linguagem e nonsense; escala e perspectiva e percepção e realidade.
Há cinco obras de arte contemporânea nas seções da exposição que não são adequados para crianças. Estas obras têm sinais relevantes no lugar e Família visitantes e grupos escolares podem pedir a um membro do pessoal para mais informações.

Eventos

Simpósios

Workshops para adultos -Workshop de Gravura com Fray Hannah   sábado 19 de novembro de 2011

Filmes

Simpósio: A Maravilha de Alice: Imagens, Mitos e Realidades

Presidido pelo Dr. Josie Billington (Universidade de Liverpool) um especialista em realismo literário vitoriano, o painel inclui Dame Gillian Beer, Rei Edward VII Professora Emérito da Universidade de Cambridge, Dr. Catherine Grant, Courtauld Institute of Art, Dr Hacking Juliet , Instituto Sotheby of Art, Dr Carol Mavor, Professor de História da Arte e Estudos Visuais da Universidade de Manchester, o Dr. Robert Rowland Smith , Prêmio membro do All Souls College, Oxford, autor e professor de filosofia, e Dr Marina Warner , Professor de Cinema, Literatura Teatro da Universidade de Essex.
Tate Liverpool Albert Dock, Liverpool, L3 4BB.
_____________________________________________________                                                                                          

Nenhum comentário:

Postar um comentário