24 de janeiro de 2012

Gerenciador de projetos atua para acelerar expansão do mercado hoteleiro


Profissional zela pela integração entre todas as disciplinas envolvidas no projeto arquitetônico e pela manutenção da identidade das redes de hotelaria em cada empreendimento.
*Por Renata Marques
O mercado hoteleiro deve sofrer um boom nos próximos anos 
com a previsão de construção de centenas de hotéis em tempo recorde espalhados por todo o território nacional. Para auxiliar na otimização do tempo de execução dos projetos, realizar o planejamento das disciplinas envolvidas e beneficiar a gestão desses, está se tornando cada vez mais atuante no mercado arquitetônico a figura do gerenciador de projetos. 

Com prazos enxutos e crescente aumento de demanda em virtude dos eventos esportivos que o Brasil vai sediar nos próximos anos, como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, as construtoras, incorporadoras e as próprias redes hoteleiras têm trabalhado cada vez mais com o respaldo desses profissionais. Para a área de hotelaria, eles trabalham também como uma espécie de supervisor, preocupados em manter as premissas das cadeias de hotéis, fazendo uma interface com as diretrizes técnicas de cada construtora e as necessidades de cada contratante.

Com larga experiência no acompanhamento de empreendimentos, principalmente no setor hoteleiro, a arquiteta paulista Renata Marques acredita que a função do gerenciador de projetos será fundamental para que as redes de hotéis consigam cumprir o prazo de entrega dos projetos, aproveitando assim da melhor forma possível o crescimento do segmento. “Participamos desde o projeto ajudando a eliminar pontos vulneráveis da planta que possam resultar em futuros problemas ou falhas na execução. Outra vantagem é o estabelecimento de um cronograma de projetos, que permita um melhor aproveitamento da mão de obra envolvida na construção”, explica Renata.

Outro serviço importante e especialmente desenvolvido para o segmento de hotelaria é o acompanhamento da execução da obra. Trata-se de uma espécie de consultoria, através da qual o profissional certifica-se que o empreendimento está sendo construído obedecendo às premissas que constam no manual de cada rede hoteleira. “O gerenciador atua na verificação das soluções adotadas em projeto e, eventualmente, nas adequações in loco que se façam necessárias durante a execução. Acompanhamos passo a passo todas as etapas desde o projeto até a entrega da obra”, esclarece Renata.

“Geralmente neste tipo de trabalho, somos uma espécie de fiscal que zela para que a obra seja entregue dentro dos parâmetros exigidos pela empresa e já definidos em projeto que regem as instalações de cada empresa. Mantendo a identidade independentemente das características específicas de cada unidade”, complementa a arquiteta e gerenciadora de projetos.

Entre os trabalhos nos quais a Renata Marques teve papel fundamental na coordenação de projeto e gerenciamento entre obras, projetos e operadora hoteleira, destacam-se:


•    Caesar Park e Caesar Business do Aeroporto Internacional de Guarulhos – que teve prazo de execução de 17 meses, entre projeto e obra, e contou com inovações tecnológicas como estrutura metálica com steel deck e laje tipo ‘zero’; fachada pré-fabricada; e banheiro pronto. Além de adequação às normas NFPA;

•    Caesar Business Paulista - com estrutura convencional, laje nervurada tipo ‘zero’, fachada pré-moldada e drywall;

•    Ibis Paulista – com estrutura metálica - steel deck, laje tipo ‘zero’ com fachada pré-fabricada, banheiro pronto e uso de sistemas hidráulicos com shaft visitável. O projeto e a obra foram auditados pelo ISO 9000;

•    Fórmula 1 Jardins – Flat / Hotel Econômico – onde foram aplicados sistemas hidráulicos com shafts visitáveis ,  concepção de estrutura convencional, vedações da fachada em alvenaria e vedações entre parede em drywall;

•    Fórmula 1 Downtown – com estrutura em parede de concreto, laje nervurada e banheiro pronto;
•    Edifício Blue Tree Faria Lima – com estrutura convencional, laje nervurada tipo ‘zero’, fachada pré-moldada tipo stamp, uso de sistemas hidráulicos com shaft visitável, sistemas de água quente e fria com PEX e drywall;

•    Edifício Blue Tree Towers Morumbi – Estrutura convencional, laje nervurada tipo ‘zero’, fachada pré-moldada tipo stamp, uso de sistemas hidráulicos com shaft visitável, sistemas de água quente e fria com PEX.
www.renatamarques.com.br

*Sobre a Renata Marques
Pioneira no segmento de gerenciamento de projetos, a arquiteta atua desde o início de sua vida profissional exercendo a função para grandes incorporadoras. E agora, através do trabalho do escritório que leva seu nome, Renata expande seus domínios para a área de desenho e desenvolvimento de projetos.

**Créditos de imagens: Gabriela Quinália
________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário