4 de abril de 2012

Medidas preventivas garantem maior segurança aos condomínios


A alta incidência de assaltos a condomínios nos últimos anos tem levado muitos edifícios a aprimorarem seus sistemas de segurança. Mesmo com todos esses novos aparatos, os condomínios continuam suscetíveis a assaltos. Investir apenas em tecnologia não é suficiente para melhorar a segurança dos prédios; é preciso treinar funcionários e convencer moradores de que é essencial adotar normas condominiais mais rígidas. 

Segundo Rodrigo Karpat, especialista em Direito Imobiliário, consultor em condomínios e sócio do escritório Karpat Sociedade de Advogados, é necessário implantar medidas preventivas para garantir maior segurança ao condomínio. “A segurança é uma soma de fatores que incluem desde barreiras físicas e treinamento de funcionários, até a cooperação dos moradores”, diz. 
O especialista em Direito Imobiliário alerta também sobre a responsabilidade do condomínio em ressarcir os prejuízos em casos de assaltos ou ações criminosas. “No caso de furtos ou roubos dentro do condomínio ou nas unidades autônomas, o edifício não é responsável pelo ressarcimento do morador, uma vez que a segurança pública compete ao Estado. O condomínio será responsabilizado nos casos em que houver culpa do prédio, ou seja, quando houver envolvimento de um dos seus funcionários ou facilitação pela portaria, mesmo que de forma involuntária. E se o prédio tiver assumido a responsabilidade pela segurança, seja pela contratação de vigilantes ou se estiver previamente descrito na convenção”, explica Rodrigo Karpat.

Veja abaixo 11 dicas de segurança para o seu condomínio

1.      Instalar portão duplo nas entradas de pedestres do edifício (social e serviço)
Impede o acesso fácil de quem queira aproveitar para entrar no condomínio sem ser anunciado. Existem sistemas que não permitem a abertura de um portão sem o fechamento do anterior e o porteiro deve ser instruído a nunca abrir um portão sem fechar o outro.

2.      Instalar portão duplo na entrada de veículos
Evita a entrada de veículos “por carona”. Cada motorista de automóvel que queira entrar no condomínio precisa fechar o primeiro portão. É aconselhável que o primeiro portão seja aberto pelo condômino e o segundo, pelo porteiro. Caso a portaria esteja longe, a vulnerabilidade continua, pois a finalidade é que o porteiro examine o veículo de dentro da portaria antes de abrir. Alguns sistemas registram a unidade do veículo que está entrando no condomínio e têm um botão de pânico no controle do morador.

3.      Criar um espaço para entrega de objetos à portaria sem a abertura do portão (pizza, encomendas, remédios etc.)
Extremamente necessário para garantir a segurança dos moradores. Muitos assaltantes aparecem disfarçados de entregadores, que aproveitam a necessidade de abertura do portão para invadir o edifício.

4.      Proibir que entregadores subam aos andares
O ideal é que nenhum entregador suba, independente do tipo de serviço. Quanto menos pessoas conhecerem a rotina do prédio, melhor.

5.      Proibir informações sobre vendas e locações
Esse é um grande atrativo para assaltantes. Alguns se passam por corretores ou simplesmente fingem interesse no imóvel para colher informações sobre o condomínio e posteriormente cometerem o delito. Informações sobre imóveis à venda ou para locação devem ser fornecidas pela imobiliária. A portaria não deve prestar qualquer tipode  informação.

6.      Proibir a entrada de corretores sem autorização por escrito do proprietário
Cada visita deve ser avisada e autorizada pelo proprietário, por escrito e contendo os dados do corretor e do cliente.

7.      Realizar treinamento constante dos funcionários
Manter os colaboradores sempre capacitados a identificar qualquer situação suspeita e ter condições de manusear todos os equipamentos disponíveis com segurança e habilidade.

8.      Instalar câmeras de segurança nas áreas comuns
As câmeras devem estar posicionadas estrategicamente nas entradas do edifício, pontos vulneráveis, hall social, elevadores, garagem, entre outros. Sugere-se ainda o monitoramento à distância dessas imagens.

9.      Telefone liberado na portaria
O telefone é a principal arma para alguém que se encontra em emergência seja para ligar para polícia, bombeiro, hospital, síndico, zelador ou ate mesmo para outros moradores. Um telefone bloqueado na portaria de nada adianta. Em muitos casos há tempo hábil para ligar e confirmar, por exemplo, se o entregador está realmente sendo esperado, ou para confirmar informações sobre a entrada de um suposto familiar.

10.  Garantir que a guarita esteja segura
A portaria é o local de trabalho do porteiro e se ele deve fornecer segurança, precisa estar devidamente protegido e isolado. Para a guarita estar segura é preciso que conte com vidros e portas blindadas, telefone livre de bloqueios e botão de pânico. Também é importante manter a porta sempre fechada e impedir o acesso visual de fora.

11.  Não permitir que funcionários saiam com uniformes do prédio
Alguns assaltos ocorrem via abordagem de funcionários que são identificados em pontos de ônibus ou próximo a suas residências pelos seus uniformes. Esses funcionários acabam sendo rendidos e obrigados a facilitar a entrada nos condomínios.

Nenhum comentário:

Postar um comentário