28 de junho de 2012

RICARDO DE CASTRO . TRANSFORMER, na Casa Triângulo (São Paulo)


Pinturas realizadas através da ação do corpo do artista, esculturas, colagens sobre vidro da série Acúmulo, marchetarias da série AMO e fotografias, todos inéditos. Uma obra de caráter site specific ocupará o piso térreo da galeria.  
Ricardo de Castro . Totem Magia, 2010 . Fotografia [Photograh] . 50 x 38 cm
RICARDO DE CASTRO . TRANSFORMER
DE 26 DE JUNHO A 21 DE JULHO . FROM JUNE 26 TO JULY 21
Casa Triângulo apresenta a segunda mostra individual de Ricardo de Castro na galeria intitulada Transformer. Em Transformer Ricardo de Castro apresenta pinturas realizadas através da ação do corpo do artista, esculturas, colagens sobre vidro da série Acúmulo, marchetarias da série AMO e fotografias, todos inéditos. Uma obra de caráter site specific ocupará o piso térreo da galeria. No dia da vernissage, ela estará aberta à ação do visitante, assumindo-o como parte da obra e agente transformador do espaço significativo. O público ativará a ação ao manipular objetos criados para instigar a movimentação do corpo no espaço – energia de manifestação. A ação será realizada às 17 horas.
 Fabio Morais 5/28/12 3:33 AM "Ricardo? Cê taí? Tá acordado? É tarde, né? Lembrei de como éramos crus em 1997. Cê me deu aquele trabalho redondo, IKB. Lembra? A música eletrônica da moda, as festas da moda, as drogas da moda, tudo entre a gente, tão no começo. Fico feliz de te ver em outra individual. Nas individuais, a gente urra ou sussurra sozinho, elas respeitam nosso tom. No teu ‘sozinho’, te vejo de New Look, Ricardo, com Flávio, com Yves, com Ney, com os neoconcretos. Mas não os conheci, quando cheguei eles já eram lenda. Se os compreendo, é porque os experimento em ti. Costumo acessar a história apenas através do presente. Você me faz enxergar séculos de pintura de uma só tacada — como me fazia a expografia de Lina, quando eu era criança — , logo você que não respeita a pintura como entidade histórica, mas como corenergiação. Você é tão explosivo, Ricardo, e eu tão implosivo. Se vejo tuas cores explodidas, no Paço, no teu ap, na tua primeira exposição na Triângulo, imagino que tuas lascas coloridas vão além da galáxia, onde a ciência é burra e a metafísica é ridícula. Te admiro, Ricardo, por aquilo que não posso ser. Se fôssemos iguais, nos repeliríamos. Não tenho essa relação espiritual que você tem com a energiacor. Você me propõe o que em mim não é natural. Sou tão fincado no dicionário. Eu não sou cromático. Por isso, nas tuas explosões de cor, aproveito e me ilumino, faço cor meu preto e branco, como quando na plateia a gente olha alguém sentado na poltrona ao lado, tingido pela luz do filme. O que na tua vida é cor, Ricardo, na minha é palavra. Mas você não é pintor e nem eu escritor. Que porra de artistas somos nós? Você é desses que me põem na beira da queda e me sussurram: não há problema; se há, ele é teu. Sou tão linear, se Salto no Vazio caio reto. Eu queria te escrever um texto do caralho, à altura da tua corcosmogonia. Me ajuda a escrever um texto pra ti, Ricardo, me empurra, vamos explodir um artefato de corpalavracor? Não sei se estou preparado para isso, nunca estive preparado para nada, nasci apenas com dois instintos, o autodestrutivo e o de sobrevivência, apaixonados um pelo outro. Vamos, Ricardo, vamos explodir uma corpalavracor que se torne caco que se torne cosmo que se torne corpo que se torne corte que se torne carícia? Bombardeemos, agora, quem não é kamikaze que fique em casa, homembombatucada, a EXPLOSÃhuma(espiritual)no/ene/r\gias_ ideias, que são muito leves “ ” su/av-es {extrapolar as substan}cias, e_q-u_i-l_í-b_r-i_o - ativ,ar; quando falo de pensamento*, quero amarelo (quero; quer o / / quer-me) dizer como forma* acúmul(os( liberd(prismática)ade — Esse tipo de escultura é invisível - é m(orte)uito leve — (energiadensa) ) azul ‘você’ “não” ‘existe’ e ‘precisa’ ‘de’ ‘um’ ‘pé’ “v”e”t”o”r”e”s ca(c)os > dando forma à geometria invisível q//ue sustenta as nossas relaçõ—estarmos juntos—es ácúmúló onndassssssss vermelhos vibrrratórrrias :) TRANS///FORMER >> a intenção secreta do artista, que te conto aqui, ao pé do ouvido ;) ...............m!agia..........dese¡rto.......... tradiçãooãçidart ;’ luz zul luz zul o azulazul’acaso; ‘do dissimulado’ ‘do alienado’ ‘do fugitivo’: brilha-me você é ab//solutamete visível — — confiança —, aa tradu//ção da informa/a/ção c|o|d|i|f|i|c|a|da (autoridade natural} a” vontade “huma”na = ouro,a reversão que eu acredito _intenções esculturaissociais_ trazer_as_coisas—para—a—superfície¯//processos concretos// o que a gente não inventa não existe (vermelho/magenta/vermel(tótemAMO)ho/magenta) podemos construir qq coisa qq qqq qqqq qqqqq (infinito) cor mudanç’ação bomba radical — (espaço para diál(silêncio)ogo)" Para maiores informações entre em contato com a galeria: info@casatriangulo.com
RUA PAIS DE ARAÚJO 77 / SÃO PAULO / BRASIL - CEP 04531-090 / T: +55 11 3167-5621
INFO@CASATRIANGULO.COM

Nenhum comentário:

Postar um comentário