27 de julho de 2012

Fuxicos inspiram o Banco Blob, lançamento na Design da Vila


O banco assinado pelos designers Leonardo Lattavo e Pedro Moog ganha destaque na loja
 blob.jpg
Inspirado na tradicional técnica brasileira de costura artesanal, o fuxico (reaproveitamento pedaços de tecidos) ganha versão própria de “fuxico gigante” na loja Design da Vila, com o Banco Blob, assinado pelos designers cariocas Leonardo Lattavo e Pedro Moog. Com design ousado, base em madeira e assento em forma de “fuxico gigante”, feitos com espuma e revestido em tecidos que variam nas cores e estampas, o Banco Blob se destaca em ambientes internos que abusam da decoração contemporânea.
Conhecida pela tradição no segmento da decoração e localizada na região de Alphaville, a Design da Vila oferece móveis para áreas internas e externas, objetos de decoração e utensílios para casa que unem arte, estilo, modernidade e qualidade.
Design da Vila atende encomendas para todo o Brasil. 
DESIGN DA VILA
Avenida Valville, 550 – Alphaville
Tel (11) 4154 5052

Praticidade: mesa de centro que se transforma em mesa de jantar


Móveis transformáveis é  na Mobili Intelligenti


A arquitetura moderna muitas vezes faz com que possamos criar ambientes divertidos, utilizando os móveis multifuncionais para o aproveitamento total do espaço. Seguindo as tendências norte-americanas e europeias, a Mobili Intelligenti traz com exclusividade para o Brasil, uma mesa de centro que se transforma em mesa de jantar. A novidade chega à loja em agosto deste ano, e estará disponível para pronta entrega.
Com design diferenciado, a mesa de centro é feita em madeira (MDP) com pés em alumínio, e possui (1,20L x 0,80P x 0,30H m). Em questão de segundos, o móvel se transforma em mesa de jantar, que acomoda até seis pessoas (1,87L x 0,80P x 0,76H m). Se chegarem mais convidados, a mesma peça ainda possui um extensor, podendo ser aumentada para acomodar até dez pessoas (2,20L x 0,80P x 0,76H m). Além da funcionalidade, a mesa pode ser manuseada com facilidade por homens e mulheres devido ao mecanismo especial que possui.
Mobili Intelligenti atende encomendas para todo o Brasil e agora possui showroom nas cidades de São Paulo (Alphaville), Brasília e São Luís do Maranhão. Além disso, a marca também procura parceiros para abertura de novas lojas em outras cidades.
Siga a Mobili Intelligenti no Facebook e receba as novidades da marca: http://www.facebook.com/mobiliintelligenti
Mobili Intelligenti
Alameda Araguaia, 122 – G7
Alphaville
Tel. (11) 4195 6903 

Sandy, Maria Bethânea, Marília Pera, Antony Gormley, Elis Regina, Roberto Farias e Augusto Boal no CCBB Rio em agosto

Foto http://www.zcastel.com.br/

A programação de agosto do Centro Cultural Banco do Brasil Rio de Janeiro traz duas novas exposições, mostras de cinema, espetaculo de teatro e muito mais.






Corpos Presentes – Still Being é a exposição que reúne no CCBB Rio, obras, maquetes, gravuras, fotos e vídeos em um panorama da carreira do escultor inglês Antony Gormley. A instalação Event Horizon reunirá ao ar livre, no centro da cidade, figuras modeladas em tamanho real, a partir do corpo do artista. 

Há três décadas, o Brasil perdia uma das maiores cantoras de MPB: Elis Regina. Em homenagem à diva, a exposição multimídia Viva Elis aborda diferentes fases de sua vida e carreira por meio de projeções, videoclipes, documentários, especiais de televisão, réplicas de vestidos e reproduções de artigos de jornais e revistas da época. 

A mostra Os Múltiplos Lugares de Roberto Farias presta homenagem aos 80 anos do cineasta e reúne produções que vão desde a chanchada ao Cinema Novo, da gestação da Embrafilme aos diálogos com a televisão, chegando até o período da retomada e os dias de hoje, espelhando sua versatilidade e autoridade na definição dos limites e possibilidades.

A literatura é o tema da mostra de cinema Antologia Visual da Argentina. Filmes clássicos, documentários sobre escritores em um recorte sobre o cinema contemporâneo.

O Circuito Cultural Banco do Brasil traz dois encontros em um bate-papo com o público de duas diferentes cantoras: Maria Bethânea e Sandy. No dia 1° de agosto Sandy fala sobre o início da carreira em dupla com o irmão, a carreira solo e os prós e contras de amadurecer em público. E no dia 2 de agosto, Maria Bethânia conversa com o jornalista Zuza Homem de Mello sobre sua formação musical, artistas que influenciaram sua carreira, sua relação com as canções, com o irmão Caetano Veloso e com Chico Buarque.

A atriz Marília Pera abre a série Nelson 100 anos, em uma homenagem ao homem, dramaturgo de teatro, cinema, televisão, literatura e jornal. Suas musas, suas frases e suas ideias serão relembrados e discutidos na celebração do seu centenário, em encontros mensais. 

Arena Conta Zumbi é o espetáculo que recorda o musical montado em 1965 e que se tornou um marco da trajetória do Teatro de Arena. De autoria de Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri, com músicas de Edu Lobo, o texto retrata a luta dos quilombolas de Palmares e sua resistência à opressão portuguesa. Com direção de João das Neves, o elenco traz Benjamim Abras, Rodrigo Jerônimo, Alysson Salvador, Rodrigo Almeida, Evandro Nunes, Ricardo Campos, Kátia Aracelle, Josi Lopes, Carla Gomes e Júnia Bertolino.

As séries musicais no Teatro II reúnem Toninho Horta e Kristoff Silva em Novas Esquinas, Quarteto Tau em Brasil A 4, Leila Pinheiro e Eliakin Rufino em Amazônia Convida,  Arthur Maia em Aquele Cara lá do Baixo e Toni Garrido em BR6 Convida.

Centro Cultural Banco do Brasil
Rua Primeiro de Março, 66
Centro – Rio de Janeiro - RJ
CEP 20010-000
www.bb.com.br/cultura
twitter.com/ccbb_rj
http://facebook.com/CCBB.RJ

Aberto para o público de terça a domingo, das 09h às 21h.

Maestro Sílvio Viegas rege a Orquestra Sinfônica do Paraná




O palco do Guairão recebe neste domingo (29), às 10h30, o maestro convidado Sílvio Viegas, o pianista Sérgio Monteiro e a violinista Gabriela Queiroz para um concerto com a Orquestra Sinfônica do Paraná. O repertório inclui obras de Claude Debussy, Felix Mendelssohn e Maurice Ravel.

Sílvio Viegas já esteve à frente das Orquestras Sinfônica Brasileira, Petrobras Sinfônica, Sinfônica de Minas Gerais, Filarmônica do Espírito Santo, Sinfônica de Burgas (Bulgária), Sinfônica do Festival de Szeged (Hungria), Orquestra do Algarve (Portugal), Coro e Orquestra Sinfônica del Sodre (Uruguay), entre outras. Atualmente, é diretor artístico interino da Fundação Teatro Municipal do Rio de Janeiro e maestro titular da Orquestra Sinfônica do Rio de Janeiro. Viegas tem também uma ligação estreita com a dança, já dirigiu os balés Giselle, Coppelia, O Quebra-Nozes e Carmen.

O pianista Sérgio Monteiro é clamado pela crítica especializada como uma das mais gratas revelações da música brasileira nos últimos 20 anos. Acumula colocações significantes em diversos concursos nacionais, internacionais e apresentações em grandes salas de concerto em Berlin, Washington, Buenos Aires e outras. Gabriela Queiroz, violinista, também é destaque no cenário musical. Venceu inúmeros concursos, entre eles, o Concurso Jovens Instrumentistas, em Piracicaba (SP); o Concurso Jovens Solistas da Orquestra Sinfônica da Bahia; e o Concurso Furnas Geração Musical (RJ).

Repertório – O concerto começa com o poema sinfônico Prélude à l'après-midi d'un faune (Prelúdio à tarde de um fauno), do compositor francês Claude Achille Debussy, escrito entre 1892 e 1894, com base na obra de mesmo nome do escritor Stéphane Mallarmé (Étienne Mallarmé). 

Em seguida será apresentado O Concerto em Re menor para piano e violino e orquestra de cordas, do compositor alemão Felix Mendelssohn. A obra foi escrita em 1823, quando ele tinha 14 anos. Na época, a ideia de fazer um concerto para piano, violino e orquestra era pouco usual. A combinação de dois instrumentos com características tão diferentes coloca grandes desafios à composição.

A terceira e última parte do concerto apresenta a composição Ma Mére L'Oye (Mamãe gansa), do francês Maurice Ravel. São cinco pequenas peças dedicadas a crianças e inspirad
OSPa em contos de fada de Charles Perroult e da condessa d' Aulnoy.

Serviço
Concerto da Orquestra Sinfônica do Paraná
Regência: Sílvio Viegas
Solistas: Sérgio Monteiro (piano) e Gabriela Queiroz (violino)
Classificação: 7 anos

29 de julho (domingo), às 10h30
Auditório Bento Munhoz da Rocha Netto – Guairão (Rua Conselheiro Laurindo, s/nº – Curitiba, Centro)
Ingressos: R$10. Meia-entrada conforme previsto em lei e 50% de desconto não cumulativo para associados do Cartão Teatro Guaíra. 
Ensaios: terão inicio nesta terça-feira (24) das 9 às 12 horas, no Guairão.

Informações: (41) 3304 7982 | www.facebook.com/TeatroGuaira

Fonte: CCTG

25 de julho de 2012

Personalidades e celebridades vão ao 1º Prêmio Contigo! MPB Brasil de Música

Gaby Amarantos, Seu Jorge e Maria Gadú


Arlindo Cruz, Ivete Sangalo, Lenine, Marcelo D2, Erasmo Carlos, Maria Gadu, Pitty, Leandra Leal, Gaby Amarantos, Leo Jaime, Daniela Sarahyba, entre outros, prestigiaram o evento

Lenine e Arlindo Cruz

Lucas Santanna

Camila Pitanga

Elba Ramalho, Emanuelle Araújo e Ivete Sangalo

Erasmo Carlos



A noite desta segunda-feira, 23, esteve animada na Miranda no Complexo Lagoon, no Rio de Janeiro. O espaço recebeu cerca de 300 convidados para o 1º Prêmio Contigo! MPB Brasil de Música, parceria com a rádio carioca MPB FM, que consagrou nomes da música brasileira. 
Entre os premiados, destaque para Lucas Santanna, que foi acompanhado da namorada Camila Pitanga, e conquistou a categoria Álbum Independente (“O Deus que devasta mas também cura”, de Lucas Santtana l Produção: Lucas Santanna e Chico Neves). Arlindo Cruz aproveitou a premiação para colocar a conversa em dia com Lenine e Marcelo D2. O Sambista ganhou a categoria Álbum Samba (“Batuques e romances”, de Arlindo Cruz l Produção: Leandro Sapucay). O prêmio ainda teve a apresentação de Leandra Leal e Leo Jaime, e show de Gabi Amarantos.Erasmo Carlos, Maria Gadu, Pitty, Ivete Sangalo, Buchecha e outras celebridades, também estiveram no local.
O 1º Prêmio Contigo! MPB Brasil de Música teve como patrocinador Palmolive Naturals.

Fotos: Fábio Duque e Leo Marinho

Confira a lista de todos os ganhadores:

Álbum MPB:
“Recanto”, de Gal Costa l Produção: Caetano Veloso e Moreno Veloso

Álbum Independente:
“O Deus que devasta mas também cura”, de Lucas Santtana l Produção: Lucas Santanna e Chico Neves

Álbum Samba:
“Batuques e romances”, de Arlindo Cruz l Produção: Leandro Sapucay

Álbum Pop/Rock:
Nó na orelha - Criolo l Produção: Daniel Ganjaman e Dudu Marote

Melhor cantora:
Marisa Monte ( voto do júri)
Ana Carolina ( voto popular)

Melhor cantor:
Lenine ( popular)
Ney Matogrosso (júri)

Melhor Música:
Ainda Bem – Composição: Marisa Monte e Arnaldo Antunes l Intérprete: Marisa Monte (popular)
A doida – Composição: Seu Jorge, Leandro Fab e Pretinho da Serrinha l Intérprete: Seu Jorge ( juri)

Melhor DVD:
Zeca Pagodinho – (Quintal do Zeca)

Melhor Instrumentista:
Wilson das Neves (Chico Buarque)

Categoria Top Digital:
Paralamas do Sucesso – Show “Selvagem” – 29/10 Circo Voador (“Queremos/Crowdfunding”) Preta Gil – Redes sociais

Categoria Projetos Especiais:
Pitty/Martin (Agridoce)


24 de julho de 2012

Sapatilha da Skechers faz mulher crescer, mas sem aparecer


Marca-norte americana de calçados vice-líder de vendas nos EUA apresenta a Women’s Active, opção para as mulheres vaidosas que buscam o conforto de uma sapatilha e o poder de um salto num único modelo.´

Com o conceito de conforto cada vez mais em alta na moda para o dia-a-dia, o trabalho ou para os momentos de lazer, é muito grande também o número de mulheres que aderem a esse estilo. De olho nessa tendência, a Skechers apresenta às mulheres brasileiras a Women’s Active, sapatilha em estilo Mary Jane super confortável que traz um salto “invisível” responsável por dar mais poder às mulheres e as fazerem ficar apaixonadas pelo modelo.
Segunda marca de calçados mais vendidos nos EUA, a Skechers criou a Women’s Active para atender as mulheres que gostam de estar sempre por cima, pois o modelo mescla o design sofisticado de um sapato com o conforto de um tênis. Utilizando do conceito Mary Jane e com um salto interno ‘escondido’, o Women’s Active é feito em couro e tem solado de borracha, por isso agrada pela elegância e comodidade.
Disponível nas cores preta, branca, cinza e dourada, o Women’s Active é um enorme sucesso nos Estados Unidos e promete conquistar as brasileiras com seu requinte e beleza. O modelo demonstra a variedade dos produtos Skechers, voltados aos mais diversos públicos.
O preço sugerido para os modelos Women’s Active é R$ 149,00.
Tel.: (11) 3900 4100 

23 de julho de 2012

‘Tropicalização de projetos’ permite que arquitetura internacional ganhe espaço no mercado brasileiro


Escritórios e consultores locais oferecem parceria para adequação de projetos concebidos por profissionais estrangeiros.
“Os diferentes hábitos da população exercem papel determinante para a definição das características dos imóveis de cada região do País:” Renata Marques

Com a baixa demanda do mercado de construção na Europa e Estados Unidos, os grandes escritórios de arquitetura internacionais buscam novos mercados, e o Brasil surge como uma excelente oportunidade. Tal situação vem ao encontro da carência de profissionais bem qualificados que o País enfrenta no setor. Aproveitando essa crescente demanda por arquitetos e engenheiros experientes, cada vez mais estrangeiros têm interesse na prestação de serviços para o setor da construção buscando parcerias com profissionais nacionais.
A crise internacional contribuiu em muito para que os investidores estrangeiros identificassem no mercado brasileiro uma opção de investimento, enquanto os profissionais vislumbram a oportunidade de expansão de carreira. Hoje podemos nos deparar com engenheiros residentes em obra cuja nacionalidade não necessariamente é brasileira, assim como encontramos arquitetos estrangeiros trabalhando em grandes escritórios nacionais. Assim como, existem grandes escritórios de arquitetura , fornecedores internacionais de diversas empresas e especialidades focados na viabilização de novos negócios no País.
Contudo, a adaptação de projetos à realidade brasileira não é tão simples. Uma vez que a concepção arquitetônica engloba diversos fatores como adequação à: legislação, normas técnicas, sistemas construtivos, linguagem técnica de projetos – empregada na representação e leitura de projetos, diretrizes técnicas de cada construtora, materiais disponíveis no mercado e fornecedores locais, entre outras peculiaridades que variam de região para região. Além, é claro, do processo para aprovação das plantas junto aos órgãos públicos locais, que conta com uma série de especificidades, que interferem diretamente no projeto.
Este cenário propicia a colaboração e parceria, cada vez mais intensa, entre escritórios de arquitetura internacionais e profissionais brasileiros que atuam na chamada ‘Tropicalização dos Projetos’, termo que sintetiza o serviço de consultoria ou desenvolvimento de projetos prestado pelos profissionais brasileiros para adaptação dos trabalhos concebidos internacionalmente aos padrões brasileiros. “É um trabalho inevitável. Por mais que o profissional estrangeiro esteja interado à cultura local, é fundamental a consultoria para garantir a adequação às normas técnicas e processos de aprovação locais”, explica a arquiteta paulista Renata Marques, cujo escritório recebe demanda de profissionais de fora do País interessados em estabelecer parceria para futuros projetos.
Outro aspecto importante a ser considerado pelos profissionais que pretendem atuar no mercado brasileiro é a forma como a cultura local influencia a concepção arquitetônica. O Brasil apresenta uma grande diversidade em relação às normas vigentes em cada região, assim como em relação à cultura, o que influencia as características do produto. “Os diferentes hábitos da população exercem papel determinante para a definição das características dos imóveis de cada região do País.”, explica Renata.
Para os profissionais que vêm de fora do País o choque cultural pode ser ainda maior. “Na China os empreendimentos normalmente não possuem áreas de lazer comuns. Os prédios costumam ter projetos de paisagismo lindíssimos, mas não há atividade social nesses locais. Um projeto neste estilo aqui no Brasil dificilmente vingaria, já que esses espaços estão cada vez mais valorizados pelos brasileiros”, diz a especialista.
Segundo a arquiteta, a vantagem que o profissional estrangeiro e as construtoras encontram ao se associarem a escritórios e consultores brasileiros está no suporte que pode ser oferecido em relação às normas técnicas, contatos de fornecedores e demais alterações que se façam necessárias, em termos de tecnologias e sistemas construtivos empregados. “Além de aspectos da própria cultura local, como o uso de termos específicos do setor, que facilitem o entendimento das soluções adotadas pela equipe de obras e demais profissionais envolvidos; adequações técnicas necessárias e especificações legais requeridas para a aprovação do projeto junto aos órgãos públicos locais”, esclarece.
A tropicalização de projetos garante ainda mais segurança e rapidez ao processo de concepção e aprovação, evitando também possíveis pontos de conflito entre o que foi previsto nas plantas e a realidade encontrada no canteiro de obras e exigências técnicas que precisam ser atendidas.


Coletivas em Curitiba: "15 Fotógrafos Contemporâneos" e "Resultados - Pinturas "



    • Dia 25 às 19 horas até dia 30 de agosto no MABU ROYAL & PREMIUM HOTEL, em Curitiba



      SERÃO 2 COLETIVAS:

      1- (PRIMEIRA)

      " 15 FOTÓGRAFOS CONTEMPORÂNEOS "


      ANDRÉ RAITTZ - ANDRÉ MALINSKI - CHARLY TECHIO - EDILSON VIRIATO - JORGE KIMIECK - LIANE PAZ -
      LOUISE MORENO - LUCIANO SOUZA - MALAH - MARINICE COSTA - ODILON RATZKE - SANDER RIQUETTI -
      STELI FRIES - TANIA BUCHMANN - WALDO RAFAEL .

      2- (SEGUNDA)

      " RESULTADOS - PINTURAS "
      ARTISTAS PARANAENSES


      DA EXPOSIÇÃO:

      ABERTURA : DIA 25 DE JULHO DE 2012
      DAS 19:00 HORAS ÀS 22;00 HORAS
      A EXPOSIÇÃO FICA ATÉ 30 DE AGOSTO DE 2012

      JAYABUJAMRA ESPAÇO DE ARTE

      MABU ROYAL & PREMIUM HOTEL
      PRAÇA SANTOS ANDRADE, 830
      CURITIBA - PR - BRASIL
      TEL. 41 3219 6000

      CURADORIA: EDILSON VIRIATO

17 de julho de 2012

Marilyn Monroe, eterna Marilyn, na Urban Arts

Marilyn Monroe 01
Artista: Pablo Lobo


Perto do aniversário de 50 anos de morte da atriz, ilustrações criadas por aristas descolados fazem releitura do mito mesclando fotos e intervenção digital




Marilyn Monroe 02
Artista: Pablo Lobo

Marilyn - Willian Sanfer


Sorry Mr President 
Artista: Willian Sanfer


Marilyn II
Artista: Gabriel Castilho

Marilyn III
Artista: Gabriel Castilho


Artista: Vanessa Neuber

No dia 5 de agosto, o mundo inteiro vai lembrar a partida do maior ícone do cinema: fará meio século que Marilyn Monroe morreu. No entanto, sua imagem continua forte e mais viva do que nunca. Só este ano, estreou um filme baseado em um momento de sua vida (Sete Dias Com Marilyn), sua foto estampou o cartaz do Festival de Cannes e a página oficial de Marilyn no Facebook atingiu a marca de mais de 3 milhões de fãs.

O mundo das artes plásticas também adora Marilyn — tudo começou quando Andy Warhol produziu um dos seus quadros mais famosos a partir da imagem dela, na década de 60. Artistas plásticos brasileiros, principalmente os que investem na arte digital, continuam encontrando em Marilyn uma forte fonte de inspiração, como comprovam os trabalhos de Gabriel Castilho, Willian Sanfer, Vanessa Neuber e Pablo Lobo, que integram o acervo da galeria de arte digital Urban Arts.

Na obra Marilyn Monroe 02, Pablo Lobo fez um mix de dois momentos emblemáticos da vida atriz: seu trabalho no filme O Pecado Mora ao Lado, um de seus grandes sucessos, e sua aparição sensacional na festa de aniversário do presidente Kennedy. Utilizando uma foto de divulgação do filme (Marilyn sob uma saída de ar do metrô, com o vestido branco plissado sendo levado às alturas), Pablo interfere na imagem utilizando um efeito de impressão reticulada e inserindo, no canto direito inferior, um selo amarelo ouro com a frase “Happy Birthday, mister president”. Marilyn Monroe 01, também de Plabo Lobo, utiliza a mesma concepção, mas dessa vez, com foco no rosto da loura, que se funde ao fundo rosa que domina a tela.

Willian Sanfer fez um retrato romântico, em branco e preto e que remete à aquarela. Gabriel Castilho criou circunferências coloridas para interagir com uma Marilyn sedutora em seu maiô branco, produzindo um efeito de pura nostalgia pop. Já Vanessa Neuber recria a imagem de atriz com intervenções digitais semelhante a um trabalho de colagem.

Serviço




Tamanhos e valores:
36,5 x 47,5cm – R$ 49
47,5 x 62,5cm – R$ 79
Poster montado sobre chassis de madeira – R$149
  

Os posters da Urban Arts são impressos utilizando a técnica giclée fine art printing em papel de qualidade fotográfica mate 180g. Todas as artes têm tiragem limitada de apenas 150 prints e vêm com atestado de qualidade.

Urban Arts
Um dos primeiros espaços de exposição e comercialização de arte digital do Brasil, você pode conhecer a Urban Arts por meio do sitehttp://painel.virtualtarget.whservidor.com/index.dma/DmaClick?3157,1441,22560,1886,c587fdaa4b769a90b44e1ca13170a8e6,aHR0cDovL3d3dy51cmJhbmFydHMuY29tLmJy e da galeria de arte localizada na rua Oscar Freire, 156, em São Paulo.


10 de julho de 2012

"A viagem", meu depoimento sobre viagem à Polônia junto com Blima Lorber onde ela prestou homenagem em nome de seu pai David Lorber Rolnik, um dos sobreviventes do holocausto

Inauguração do memorial às vítimas da Marcha da Morte, nas proximidades da cidade de Busno.




Este depoimento é a propósito do lançamento do livro “As catorze vidas de David – O menino que tinha nome de rei”, de autoria de Blima e Szyja B. Lorber. A obra conta a história  do pai deles, sobrevivente do holocausto. Quando o país foi ocupado 
pela Alemanha de Hitler e pela Rússia de Stalin, na Segunda Guerra Mundial, seguiu-se uma implacável perseguição e ele foi forçado, aos 19 anos, a abandonar o lar e a família, sobreviveu a uma marcha assassina dos nazistas. 



"Pena que o mundo ainda não descobriu que é possível fazer a unidade a partir da aparente diferença".

"A Viagem"
* Marise Helene Horochovski
Em 2010,  praticamente ‘me’ convidei para viajar com Blima Lorber. Somos colegas de profissão e nos encontrávamos esporadicamente. Quando soube que ela viajaria para prestar uma homenagem em nome de seu pai David Lorber Rolnik, na Polônia, um dos sobreviventes da “Marcha da Morte”,  eu quis muito ir junto, participar do momento, por vários motivos.

Minhas origens eslavas (polonesa, ucraniana e russa - ou como é realmente o correto - polaca), pela atração irresistível pela 2a Guerra Mundial - sua história, as marcas  terríveis que deixou (vi muitos filmes, li muitos livros - “Mila 18“, por exemplo, “O Diário de Anne Frank” que faz me acabar de chorar sempre, não importa quantas vezes eu leia)  e - algo mais indefinível que sempre me acompanhou, desde muito cedo.
Sou cristã, mas algo em mim buscou sempre saber muito sobre cultura judaica, literatura judaica e, também, o humor judaico. Há piadas que são impagáveis, principalmente, sobre a “iidiche mame“. Deliciosas. Tanto fiz, quando trabalhava no Canal 12, logo no início, que obriguei o Luiz Geraldo Mazza, meu chefe querido, a me dar um livro de antologia judaica que ele tinha, no meio daquela pilha enorme de livros que o impedia de fechar as gavetas da sua mesa de trabalho. Tenho o livro até hoje, é meu e tinha que ser aquele!
Tenho poucos ídolos, realmente, não sou uma pessoa de idolatrias. Mas, um dia em uma manhã de domingo, resolvi que iria conhecer o rabino Nilton Bonder. (A história é mais longa e não cabe aqui...) Saí para almoçar no Café do Solar do Rosário e encontrei não o rabino, mas o Szyja Lorber, irmão da Blima, que me disse que Nilton Bonder estava vindo a Curitiba para uma palestra na Sinagoga na semana seguinte. Lá fomos nós - eu convidada do Szyja e da Blima - ouvir o rabino. Nunca tinha ido a uma sinagoga, a não ser como turista em algumas cidades da Europa. Quando terminou a palestra sobre “A Alma Imoral”, eu fui até ele e, não tenho vergonha de dizer, chorei porque foi libertador!
Um tempo depois, Blima e eu embarcamos - via Paris - para Varsóvia - incontáveis horas de voo e  espera em aeroportos (cinco horas só em Paris), chegamos bem tarde da noite. Cedo, no dia seguinte, começamos A Viagem. Com o rabino chefe da Polônia - a autoridade máxima dentro da hierarquia judaica no país, o americano Michael Schudrich e o representante da Fundação “Pamięć, Która Trwa"  responsável pela homenagem Zbigniew Niziński. No banco de trás do carro, Blima e eu. O cansaço que eu sentia era imenso, e a Blima de vez em quando me cutucava ("Você está roncando perto do rabino"...) Eu tenho certeza que, normalmente, não ronco, mas o cansaço era tanto que era impossível ... Depois, ela me confessou que o rabino também roncou, varias vezes. Enfim, um ronco quase sagrado...
Chegamos naquele que foi o caminho da “Marcha da Morte”,  estrada que leva a Busno, próxima à cidade de Chelm. No início de 2010, foram encontradas  ossadas numa vala comum daqueles que foram escolhidos para morrer. Os mais frágeis também  eram fuzilados e seus corpos deixados para trás.

A comunidade estava lá esperando,  jovens e os mais velhos, muitas babuskas que lembravam minha avó com aqueles típicos lenços polacos.
Foi emocionante ver minha amiga - hoje minha irmã -  discursar em nome do seu pai...David, praticamente um menino de 19 anos, tirado de casa, para enfrentar o todo o horror que estava começando no mundo ...
Almoçamos em Bialopole, em almoço oferecido pela prefeitura da cidade e preparado pelas mulheres locais. Inesquecível.
Conheci depois Chelm, a cidade dos pais de Blima, e a majestosa Lublin que percorri quilômetros à pé. Em Varsóvia, conduzida pela Blima, é claro, fiz com que ela me levasse à Mila 18, o centro da resistência do gueto de Varsóvia, assim como foi em Cracóvia.
Conheci muitos amigos de Blima, o americano John Cudak e a esposa Agnieszka que me deram de presente um livro de humor judaico em inglês. O secretário de Cultura de Chelm, Mariusz Matera, que nos deu cegonhas de pelúcia, o símbolo da Polônia. Sim, cegonhas existem, eu vi os ninhos gigantescos nos postes ao longo das estradas de veludo do país... O John nos levou para  a linda cidadezinha de Kazimierz Dolny. 

A viagem continuou pela Alemanha e Áustria. Mas, aí é uma outra história. 

É outra coisa conhecer os países como sendo "local", propiciado pela companhia da Blima que conhece tudo... Ela sabe espanhol, inglês, iidiche, etc, etc. Fui à sinagoga na Polônia no dia mais importante do Judaismo, o Dia do Perdão. Impressionante para mim. A Blima visitou igrejas católicas comigo. Sim, é possível! Pena que o mundo ainda não descobriu que é possível fazer a unidade do que poderia ser diferença.
Se eu fosse você iria comprar correndo o livro que conta a história de David, o menino que tinha nome de rei.
E eu agradeço a oportunidade de participar desses momentos em uma viagem intensa, com muito mais significado que se possa imaginar em uma simples visita a um país estrangeiro. Uma  viagem de alma! E como complementa a Blima, de coração.

Um PS sobre o que chamo "Do lado sutil da vida": Tenho que dizer que senti a presença do pai da Blima o tempo todo ao nosso lado. Não preciso fazer força para ver o rosto do homem que não conheci em vida, o tempo todo sorridente, junto a nós. Acreditam? Não é preciso porque é muito pessoal e intransferível. Assim como foi o encontro com a tia Mônica, em Munique, na Alemanha. Foi amor à primeira vista e seu rosto me acompanha sempre que me sinto triste, Mônica me dá forças. Aliás, creio que fui a Munique só para conhecer a sobrevivente de guerra que morreu um mês depois de nos encontrarmos (Tia Mônica partiu dormindo, com 90 anos). Mas, esta também é uma outra história... Como eu disse: minha, pessoal e intransferível. E, portanto, maravilhosa!
* Marise Helene Horochovski, editora do Artetecta.
Serviço

Nos dias 9 e 16 de agosto acontece o lançamento do livro “As catorze vidas de David – O menino que tinha nome de rei” (Sêfer, 2012, 304 páginas), de autoria de Blima R. Lorber e Szyja B. Lorber. A professora Maria Luiza Tucci Carneiro, coordenadora do Arquivo Virtual sobre Holocausto e Antissemitismo (Arqshoah), da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, escreveu o prefácio. Segundo ela, “este livro dá segmento ao programa do Arqshoah denominado Coleção Testemunhos de incentivar filhos e netos, dentre outros, a assumirem o legado deixado pelos sobreviventes do Holocausto”. O livro “As catorze vidas de David” será lançado em 9/8, às 19h, na Livraria Cultura do Shopping Curitiba (R. Brigadeiro Franco, 2300, Loja 306, Curitiba) e no dia 16/8, às 18h30, na Livraria Cultura do Conjunto Nacional (Av. Paulista, 2073, Cerqueira César), em São Paulo.

Fotos de "A viagem", um pequeno registro da cerimônia ecumênica durante a inauguração do Memorial que eu tive a oportunidade de acompanhar. Um padre, um pastor e um rabino fizeram a homenagem aos que morreram durante a Marcha da Morte, perto da cidade de Busno.


Blima Lorber e o rabino Michael Schudrich

Abaixo, Blima Lorber discursa em inglês com 
a ajuda de tradutora para o polonês
**Estou ali no centro, de óculos,  ouvindo a Blima falar.

                      Muitos jovens e o mais velhos da comunidade
 foram prestar homenagem
Ao pedir para tirar a foto, a senhora de preto tirou o lenço tão típico das babuskas...
Trecho da chamada "Estrada da Morte"


Representante da Fundação responsável pela homenagem, Zbigniew Niziński  e o rabino Michael Schudrich


Abaixo, algumas imagens do muro do gueto de Varsóvia e de edifício que guarda na fachada a imagem daqueles que moravam ali



* *Uma foto como esta foi publicada em um jornal de Lublin, achei bem legal que uma descendente tenha saído em uma publicação da Polônia.

9 de julho de 2012

Homenagem de Verissimo a Millôr Fernandes encerra décima Flip









Fim da décima Flip…

pelo designer Alexandre Benoit.










O encerramento da 10ª. Festa Literária Internacional de Paraty foi uma celebração da poesia, do conto, da crônica e do romance, presentes nos trechos de obras que os autores convidados leram para a plateia. Como disse Liz Calder, a criadora da Flip, ouvir dos escritores alguma coisa daquilo que eles mais apreciam em literatura era a melhor maneira de fechar o último dia antes de mais um ano de espera por nova festa.








* Depois de uma fala inesquecível na Conferência de Abertura da Flip, na quarta feira, (não se lembra? leia aqui) o jornalista e escritor Luis Fernando Veríssimo participou hoje da mesa de encerramento da 10a Flip.

Tradicional no calendário da Flip, a Mesa "Livro de Cabeceira" reuniu os escritores Amin Maalouf, Dany Laferrière, Dulce Maria Cardoso, Enrique Vila-MatasI, Ian McEwan, Javier Cercas, Zoé Valdés, Juan Gabriel Vásquez e para lerem trechos de seus livros prediletos. Último a ler seu texto, Veríssimo declarou: "só vou contar quem é o autor no fim". E então veio a crônica "Imaginação", de Millôr Fernandes, morto em março deste ano. Leia mais.

* O dia na Tenda dos Autores teve ainda a última mesa em homenagem a Drummond, com Armando Freitas Filho, Eucanaã Ferraz e Carlito Azevedo, o encontro bem-humorado entre Hanif Kureishi e Gary Shteyngart,  reunião de Francisco Dantas e Rubens Figueiredo, e um debate sobre poesia com Jackie Kay e Fabrício Carpinejar

Mais de 20 mil pessoas passaram por Paraty
135 eventos da Flip, Flipinha, FlipZona e Flip - Casa da Cultura mobilizaram a cidade. Pelas ruas, a programação das Festas de Paraty aglomerou gente com blocos, cirandas e bonecos durante os cinco dias do evento. Na Tenda dos Autores, 40 autores de 15 países mobilizaram a plateia com incontáveis momentos de ironia, emoção, provocação e sutilezas literárias de toda espécie

Os melhores momentos das mesas no YouTube

Para ver, rever... um gosto muito bom da nossa 10a edição

www.youtube.com/flipfestaliteraria

Entrevistas em vídeo com os autores

Ainda não assistiu ao "Sobremesa" - entrevistas em vídeo realizadas após cada uma das mesas? Corre lá:www.flip.org.br/flipaovivo.php

Miguel Conde será o curador da Flip 2013…Em breve divulgaremos a data e o autor homenageado da próxima edição.

Um obrigada a todos que participaram ou acompanharam, mesmo que de longe, a Flip 2012

E que venham os próximos 10 anos!

8 de julho de 2012

Deu no New York Times: Morreu Ernest Borgnine, aos 95 anos



Ernest Borgnine, Tough but Tender Actor, Is Dead at 95 - NYTimes.com:

'via Blog this'

Ian McEwan, Jennifer Egan; Laerte e Angeli; Vila-Matas: um grande sábado na Flip






Com seis mesas compondo a programação principal, o dia foi de deleite literário em Paraty, com as ruas da cidade lotadas e debates únicos sobre família, cidades, quadrinhos...

Alguns dos muitos destaques:

Pessoas, músicas, cidades

Somos forasteiros tentando viver em diversas aldeias pelo mundo todo –   a questão conduziu Suketu Mehta e Roberto DaMatta por trilhas inesperadas.
Leia mais

Escritores versus personagens
O processo de criação literária foi um dos assuntos do encontro entre Jennifer Egan e Ian McEwan, numa das conversas mais esperadas da Flip.
Leia mais

Famílias e ficções

Dulce Maria Cardoso, João Anzanello Carrascoza e Zuenir Ventura analisaram a presença da instituição familiar na literatura, com suas neuroses, dramas, obsessões.
Leia mais

Pátria, sexo, literatura

O encontro entre a autora cubana Zoé Valdés e o escritor haitiano Dany Laferrière
Leia mais

Música para Malogrados

A ironia fina deu o tom da conferência do catalão Enrique Vila-Matas. Tendo como tema central o fracasso (e a alta literatura), sua fala foi um sucesso.

Rê Bordosa encontra Piratas do Tietê

Amigos de longa estrada, Angeli e Laerte encerram a programação deste sábado, falando de suas experiências como cartunistas.: "Eu almoço na prancheta, eu janto na prancheta. O meu lugar preferido da casa sempre é a prancheta”, confessou Angeli

LEITURAS DE DRUMMOND

Todas as mesas da 10ª Flip começam com a leitura de Carlos Drummond de Andrade. Autores como Fabrício Carpinejar, Dulce Maria Cardoso, José Luís Peixoto, Adonis e Jackie Kay prestaram sua homenagem ao poeta recitando seus textos.

Algumas dessas leituras estão nos vídeos que estamos divulgando em nosso canal do YouTube: www.youtube.com/flipfestaliteraria.

AMANHÃ (DOMINGO) NA FLIP
  • Jackie Kay, Hanif Kureishi, Zuenir Ventura, Fabrício Carpinejar, Gary Shteyngart e Rubens Figueiredo são alguns dos nomes que falarão na Tenda dos Autores;
  • Na última mesa da Flip, “Livro de Cabeceira”, autores convidados leem trechos de seus livros favoritos;
  • Na Flipinha e na FlipZona tem teatro de bonecos, ciranda, leituras, exibição de fotos e muito mais;
  • No fim do dia, a Flip preparou uma festa de encerramento inesquecível. Na Praia do Pontal, a partir das 21h30, com apresentações de Luís Perequê, Ciranda Elétrica e DJ Tutu Moraes.
E mais. E mais.. Confira a programação completa em nosso sitewww.flip.org.br

Estando ou não estando em Paraty, existem mil maneiras de acompanhar a Flip.
  • Todas as mesas da Tenda dos Autores são transmitidas ao vivo pelo site oficial. Depois de casa mesa existe ainda o “Sobremesa”, entrevistas exclusivas com os autores, feitas de maneira informal e divertida.
  • Está disponível para download na Apple Store o guia Flip2012, contendo as grades de programação, sugestões de restaurantes na cidade e informações sobre os autores participantes.
  • blog da Flip é o nosso diário de bordo, com notícias frescas sobre a vida na cidade, fotos dos bastidores da Flip e autores relembrando histórias que viveram por aqui.
  • As redes sociais não param. Acompanhe nossas atualizações via
    Twitter
    FacebookFlikr
    Youtube
    Instagram (flip_se)