17 de dezembro de 2013

Academia Brasileira de Letras "ignora" a Universidade Federal do Paraná, a mais antiga do Brasil

Cassiana e Justen, indignados, corrigem a Academia Brasileira de Letras. Da coluna do professor Aroldo Murá, publicada diariamente no jornal Indústria&Comércio.


"Dois nomes definitivos da inteligentsia paranaense de hoje – o doutorando em Estudos Literários Ivan Justen (foto), e a mestra doutora Cassiana Lacerda estão dando um grito de alerta contra uma enorme injustiça perpetrada contra o Paraná, por instituição que tem obrigação de zelar pela vida cultural do País, a Academia Brasileira de Letras (ABL).Os dois estão justamente indignados e registram essa indignação nos textos a seguir. O motivo: a ABL, no seu site, dedicado à biografia de todos os “imortais”, na biografia de Rocha Pombo, que foi “imortal” também da Casa de Machado de Assis, é citado como um dos fundadores da Universidade do Paraná, em 1912, “de vida efêmera”.
A universidade existe até hoje, tendo completado recentemente seu centenário.
Desconhece-se ignorância maior sobre a realidade paranaense do que essa perpetrada pela ABL.
Espera-se que a UFPR, na palavra do seu reitor, e a APL, a Academia Paranaense de Letras, também se manifestem." 
Leia mais no link abaixo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário