25 de março de 2014

Fringe começa nesta quarta, dia 26, e apresenta mais de 400 espetáculos no Festival de Curitiba

Programação que integra o Festival de Teatro de Curitiba e que começa nesta quarta, dia 26, é idealizado para agradar diferentes públicos em 12 dias de atividades, que começam às 9h e seguem até as 23h. Programação também inclui Mostras Especiais. Serão 66 peças gratuitas, incluindo 56 de rua. Veja programação completa no link: http://festivaldecuritiba.com.br/fringe.



                                                                                                                                                                                                      

 

Você pode escolher: drama, comédia, música, dança, teatro de rua, improviso, oficinas, experimentos e bate-papos. O Fringe, programação que integra o Festival de Curitiba e que começa nesta quarta, dia 26, tem tudo isso e mais um pouco, podendo agradar diferentes públicos em 12 dias de atividades, que começam às 9h e seguem até as 23h.



As Mocinhas da Cidade - Teatro Lala Schneider - Sala 01


Com músicas executadas ao vivo, a peça narra a vida da maior dupla sertaneja do estado do Paraná. Um misto de homenagem e resgate da memória de Nho Belarmino e Nha Gabriela.


 A Mandrágora - Museu Oscar Niemeyer

  

Criado em 1998, o Fringe tem a intenção de ser um espaço aberto e democrático para que os participantes possam expor seus trabalhos ao público, à crítica especializada e a “olheiros” que sempre fazem questão de acompanhar o evento. E deu certo. Hoje já são mais de 400 espetáculos, além de dez eventos especiais, como oficinas, mostras, festas e bate-papos.

Serão 66 peças gratuitas, incluindo 56 de rua. As companhias que se apresentarão são de 19 estados brasileiros e de outros três países – Argentina, Moçambique e Paraguai. “É a arte nas suas mais variadas formas e apresentadas em todos os tipos de lugares. Além de democratizar a cultura, há também a possibilidade de grupos se reunirem para apresentar mostras próprias, criando um invólucro para trabalhos com linguagens ou linhas de pesquisa semelhantes”, diz o diretor do Festival de Curitiba, Leandro Knopfholz.
Neste ano, o público poderá prestigiar onze mostras: Coletivos de Pequenos Conteúdos, ES em Cena (foto), Mostra Internacional de Solos (MIS), Mostra Ademar Guerra, Mostra Ateliê de Histórias, Mostra Ave Lola, Mostra Baiana, Mostra Novos Repertórios, Mostra Sesi Dramaturgia, Mostra Seu Nariz e Mostra Sonora Cena. “É uma grande vitrine onde companhias podem estrear ou consolidar seus espetáculos”, completa a coordenadora do Fringe Ailén Roberto.

Você pode conferir a programação no http://festivaldecuritiba.com.br/fringe.

Saiba mais
Fringe, que em inglês significa “franja” ou “margem”, é inspirado no maior festival de artes do mundo, o Fringe de Edimburgo, Escócia. O evento surgiu espontaneamente em 1947, quando companhias escocesas e inglesas que não estavam na programação do Festival Internacional de Edimburgo resolveram criar uma “fenda” pra eles. O Fringe deu certo e nós repetimos a receita aqui com a mesma função: ser um espaço democrático.
A participação no Fringe é livre e depende unicamente da disponibilidade de espaço na grade de programação dos teatros. As companhias vêm ao Festival por iniciativa própria, em busca de público e crítica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário